"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

(1º Princípio da Declaração de Chapultepec)

Visualizações desde 31 de Julho de 2009

COMO VOCÊ AVALIA OS 100 PRIMEIROS DIAS DA GESTÃO NALDO BATISTA?

IMPOSTOS MUNICIPAIS ARRECADADOS PARA BURITI-MA

COMPRE JÁ

COMPRE JÁ

Confraternização da Amib

Confraternização da Amib

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

0

ORGANIZAÇÕES DEFENDEM MAIS RIGOR NA APURAÇÃO DE CRIMES CONTRA JORNALISTAS

Compartilhe:

Print Friendly and PDF



*Com informações da Agência Brasil
Representantes de organizações ligadas à comunicação defenderam mais rigor na apuração de crimes contra jornalistas, durante a primeira reunião do Grupo de Trabalho (GT) sobre Direitos Humanos dos Profissionais de Jornalismo no Brasil realizada ontem (19). A federalização da investigação desses crimes foi apontada como possível solução para o problema.
“A federalização da apuração de crimes contra jornalistas vai diminuir a impunidade”, disse a representante da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) Maria José Braga. A mesma opinião foi expressa pelo representante da Federação Interestadual dos Trabalhadores de Radiodifusão e Televisão (Fitert), José Antônio Jesus da Silva. Ele defendeu que a medida seja estendida aos radialistas e comunicadores. “Nos últimos anos, pelo menos dez radialistas foram assassinados por conta da atividade”, lembrou.
As organizações também citaram o Projeto de Lei (PL) 1.078/2011, que transfere à esfera federal a responsabilidade de apurar os crimes cometidos contra jornalistas no exercício da atividade. Desde 2011, o projeto está parado na Câmara dos Deputados, aguardando parecer da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado.
O grupo de trabalho deve analisar as denúncias de ameaça ao exercício profissional dos comunicadores e encaminhá-las aos órgãos competentes, além de acompanhar os desdobramentos. Inicialmente devem ser analisados cerca de 50 casos, envolvendo ameaças, sequestros e homicídios. O grupo terá seis meses para concluir os trabalhos. O prazo pode ser prorrogado por mais seis meses.
O delegado da Polícia Federal (PF) Delano Cerqueira Bunn, integrante do GT, argumentou que é preciso investir mais na estrutura da PF antes de pensar na federalização das investigações. Ele também ressaltou que, mesmo com problemas, é preciso reforçar a competência dos órgãos de apuração locais, avaliando caso a caso. “O efetivo da Polícia [Federal] é formado por 10 mil policiais, não conseguiríamos atuar em todos os casos. O melhor é que vários órgãos possam investigar essa questão”, ponderou.
Bunn defendeu ainda que os casos mais emblemáticos sejam encaminhados para o ministro da Justiça que tem, por lei, a prerrogativa de determinar a federalização da investigação ainda que as situações sejam avaliadas caso a caso.
A procuradora federal Luciana Marcelino Martins também defendeu a investigação por diferentes instituições. Ela chamou a atenção para a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 37, que trata da restrição do poder de investigação do Ministério Público (MP). “Se isso acontecer, vamos correr o risco de que muitas investigações feitas pelo MP sejam consideradas ilegais pela Justiça”, observou.
O representante do Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social, Gésio Passos, lembrou outro tipo de intimidação, em sua opinião cada vez mais frequente: a que ocorre por meio de processos judiciais. “É importante que o GT, além dos casos envolvendo ameaça e violência, atente para formas cada vez mais comuns de intimidação da atuação profissional do jornalista”. Passos citou os casos dos jornalistas Lúcio Flávio Pinto e Daniel Fonseca, que enfrentam processos por sua atuação profissional, e do blog Falha de São Paulo, que satiriza o jornal Folha de S. Paulo e que também enfrenta processo judicial movido pelo jornal.
O GT colheu os depoimentos dos jornalistas Mauri König e André Caramante. Recentemente, eles foram obrigados a deixar o país devido a ameaças sofridas no exercício da atividade profissional. O caso está sendo acompanhado pela Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, que monitora mais oito envolvendo jornalistas, quatro de assassinatos.
A tentativa de censura ao Correio
Como bem destacou Gésio Passos, da Intervozes, outra forma de intimidação muito frequente vem ocorrendo no interior do Maranhão e já foi aplicado contra o redator-chefe deste Correio Buritiense: a intimidação por meio de processos judiciais.
Como já foi relatado aqui neste Correio, após uma série de denúncias de irregularidades envolvendo a administração do ex-prefeito Neném Mourão, inclusive da agressão cometida por ele contra uma ex-amante sua, Gerlene, com quem teve uma filha e que se recusa até hoje a pagar pensão alimentícia determinada pela justiça, ele entrou com um pedido de censura prévia contra o Correio Buritiense, em junho do ano passado, exigindo que o blog retirasse, em até 24h, todas as matérias que faziam referência a ele. O absurdo da ação do ex-prefeito ainda exigia, liminarmente, a proibição do blog em citar seu nome.
Sua liminar, sem fundamento, foi negada pela juíza de Buriti, Dra Vanessa Lopes, mas inconformado com a decisão ele recorre ao Tribunal de Justiça do Maranhão e sofreu nova derrota para o Correio. A desembargadora Dra Anildes Cruz negou novamente seu pedido contra o blog.
Na primeira audiência do processo, dia 6 de novembro de 2012, em que ele alega danos irreparáveis a sua imagem provocadas pelo redator-chefe, Aliandro Borges (percebam que não são seus atos administrativos que maculam sua imagem, mas sim as informações divulgadas pelo Correio) e exige uma indenização de 5 mil reais, o ex-prefeito se acovardou e não teve coragem de enfrentar o redator-chefe na audiência. O processo agora segue parado, aguardando outras determinações da juíza.
Essa ação judicial representa, na verdade, uma tática criativa e ditatorial de governos de viés antidemocráticos e que não convivem bem com a liberdade de imprensa, em intimidar jornalistas e blogueiros. São ações que só advém daqueles que se acostumaram a bajulices e não admitem opiniões distintas de suas gestões.
← Anterior Proxima → Página inicial

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

O COMENTÁRIO NÃO REPRESENTA A OPINIÃO DO BLOG; A RESPONSABILIDADE É DO AUTOR DA MENSAGEM. OFENSAS PESSOAIS, MENSAGENS PRECONCEITUOSAS, OU QUE INCITEM O ÓDIO E A VIOLÊNCIA, OU AINDA ACUSAÇÕES LEVIANAS NÃO SERÃO ACEITAS. O OBJETIVO DO PAINEL DE COMENTÁRIOS É PROMOVER O DEBATE MAIS LIVRE POSSÍVEL, RESPEITANDO O MÍNIMO DE BOM SENSO E CIVILIDADE.

Usuários on-line


usuários online