"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

(Declaração de Chapultepec sobre liberdade de expressão)

VISUALIZAÇÕES DE PÁGINA DESDE A CRIAÇÃO DO BLOG EM 31 JULHO DE 2009

Dr.Inácio Américo Pinho de Carvalho (Advogado)

Dr.Inácio Américo Pinho de Carvalho (Advogado)
Contatos:(98) 81136927//960511818//32350659

SHOW DE INAUGURAÇÃO DO NOVO PALCO DO PARADISE EVENTOS

SHOW DE INAUGURAÇÃO DO NOVO PALCO DO PARADISE EVENTOS

ABAIXO A CENSURA PRÉVIA!

“A imprensa é a vista da nação. Por ela é que a nação acompanha o que passa perto e ao longe, enxerga o que malfazem, devassa o que lhe ocultam e tramam, colhe o que sonegam ou roubam, percebe onde lhe almejam ou nodoam, mede o que lhe interessa, e se acautela do que a ameaça.”

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

JUSTIÇA ELEITORAL FAZ ESCLARECIMENTOS SOBRE O VOTO CONSCIENTE EM AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE AS ELEIÇÕES 2014

Em um auditório praticamente lotado, no Centro de Apoio Pedagógico (CAP), Justiça Eleitoral faz esclarecimentos sobre o voto consciente e explana informações sobre os procedimentos para a realização das Eleições Gerais de 2014.
A Audiência Pública foi conduzida pelo juiz eleitoral de Buriti, Dr. Jorge Antonio Sales Leite, que inicialmente apresentou uma série de vídeos que fazem parte da campanha do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) por uma eleição limpa e justa. 
 Em sua fala, Dr. Jorge Sales destacou que fará, junto com o Promotor de Justiça, uma fiscalização mais próxima no domingo. Ambos ficarão circulando pelos colégios eleitorais tanto da sede como dos povoados.
Dr. Jorge Sales, juiz eleitoral da comarca de Buriti-MA
Jorge Sales frisou também ao eleitor que domingo 5 será apenas um ato político, entre tantos, e que “temos que aprender a fiscalizar e cobrar”. Ele disse também que votar em branco ou nulo não invalida uma eleição, mas apenas questionamento judicial nos casos de abusos de poder econômico ou compra de votos.
 Ao finalizar a fala, o juiz afirmou que aquele era o primeiro de muitos encontros que ele pretendia fazer para formar pessoas para discutir política. Ele disse ainda que tem a intenção de ir às escolas conversar com os estudantes.
O promotor de Justiça Eleitoral, Dr. Clodoaldo Nascimento Araújo, iniciou falando da importância do voto na democracia, dizendo que “somos fruto das nossas escolhas”.
Dr.Clodoaldo Araújo, promotor de justiça eleitoral
Ele disse que o código eleitoral está repleto de crimes, mas destacou dois: a corrupção eleitoral e a quebra do sigilo do voto. Para ele, a corrupção eleitoral é a principal responsável pela falta de credibilidade da política. Dr. Clodoaldo também lembrou que para uma eleição mais justa é preciso que o eleitor se engaje e atue como fiscal do processo.
O promotor afirmou ainda que o crime não é só o candidato oferecer, mas o eleitor receber ou fazer proposta com o voto. O promotor comparou voto do eleitor a dá uma procuração a alguém e, então, questionou, retoricamente, se uma pessoa daria plenos poderes sobre suas decisões e bens a outro, especialmente sabendo que ela não teria boa conduta.
Ao final da audiência, o juiz eleitoral apresentou o resultado de uma pesquisa feita logo no início com as pessoas que entravam no auditório do CAP. O questionário perguntava se a pessoa considerava a política algo bom ou ruim, se desejaria ser um político, se lembrava em quem havia votado para deputado estadual ou federal na última eleição, e se ela venderia seu voto. O resultado está na imagem abaixo.

Participaram da audiência representantes de partidos e coligações, professores, alunos da escola estadual CE. Maria Luiza Novaes Viana, servidores do judiciário e Ministério Público e membros da comunidade em geral. As principais ausências foram os representantes do legislativo e executivo.
VEJAM MAIS IMAGENS DA AUDIÊNCIA





 













VELOCIDADE MÉDIA DA INTERNET NO BRASIL SOBE 11% NO TRIMESTRE, PARA 2,9 MBPS

FONTE: site www.teletime.com.br
O Brasil perdeu duas posições no ranking global de velocidade média da Internet no levantamento "State of the Internet", da Akamai, relativo ao segundo trimestre de 2014, e passa a ocupar agora a 89a posição entre 136 países. Não que a velocidade média não tenha crescido: foi 11% superior à média dos primeiros três meses do ano, encerrando junho em 2,9 Mbps – alta de 19% na comparação anual. O fato é que outras nações obtiveram melhor desempenho.
A velocidade média global da banda larga no mundo registrou aumento de 21%, atingindo 4,6 Mbps e superando pela primeira vez a barreira dos 4 Mbps, velocidade considerada de banda larga pelo levantamento.
A Coreia do Sul manteve-se em primeiro lugar com 24,6 Mbps e crescimento de 4%, seguida por Hong Kong, 15,7 Mbps e crescimento de 18%. No comparativo ano a ano, quatro dos dez melhores países do apresentaram aumento de velocidade média de conexão superior a 50%, liderados pela Coréia do Sul, com 84%.
Na América Latina, destaque para Uruguai, Chile e Argentina, com taxas superiores a 30% de crescimento, com 5,6 Mbps, 4,4 Mbps e 4,2 Mbps, respectivamente.
Houve alta também (de 20%) na média global de picos de conexão, que chegou a 25,4 Mbps entre os 139 países avaliados neste índice. Em primeiro lugar do ranking está Hong Kong, com pico de 73,9 Mbps e crescimento de 12% em relação aos três meses anteriores. Ano a ano, a média (25,4 Mbps) continua a apresentar um sólido crescimento, com evolução de 34% em relação ao segundo trimestre de 2013.
O Brasil obteve 20,2 Mbps, aumento de 13% em relação ao primeiro trimestre de 2014 e de 8,1% em relação ao último ano. Ainda assim, o país caiu do 82º lugar para a posição 89. O maior crescimento na América Latina foi o do Chile, 36%, enquanto o Paraguai registrou o menor índice, 6,6%. Destaque para o Uruguai, que cresceu 225% no ano, mais do que os Estados Unidos e Canadá, países que geralmente apresentam o maior pico das Américas. A Argentina registrou o segundo maior aumento, de 63%.
De todos os países, apenas a Zâmbia apresentou queda de velocidade (55%), com 3,8 Mbps.

Móvel e endereços IP
Dos 56 países ou regiões avaliadas no índice de conectividade móvel, a Coreia do Sul manteve a liderança, com velocidade média de 15,2 Mbps. O Brasil registrou média de 1,5 Mbps e a menor velocidade foi a do Vietnã, com 0,9 Mbps.
Já na contagem global de endereços de IP únicos, pela primeira vez o estudo registrou redução: de 0,9% no comparativo entre trimestres, com apenas dois dos Top 10 países/regiões considerados no levantamento (Brasil e Japão) conseguindo aumentar no número de endereços devido ao fato de alguns provedores trabalharem para conservar os endereços IPv4 ou como resultado do aumento da conectividade IPv6 e adoção entre principais fornecedores de rede.
O Brasil é o terceiro país com mais endereços IP, com 6,7% de crescimento no trimestre, e foi o único dentre os dez países com mais endereços que apresentou crescimento de dois dígitos, permanecendo na primeira posição na adoção de endereços IPv4, com 43% de aumento.
A maior demanda para IPv6 continua sendo de provedores, como a Verizon Wireless, que detém 50% das solicitações. Telenet, Brutele, Kabel Deutschland e XS4ALL representam mais de um terço dos pedidos do protocolo, e países europeus continuam dominando o ranking de adoção de IPv6, com sete das dez principais posições – Bélgica, Suíça e Luxemburgo estão no topo da lista com 19%, 10% e 8,8%, respectivamente.

Ataques
A Akamai também identificou, através do monitoramento de sua infraestrutura, os países nos quais os ataques são originados, bem como os principais pontos atingidos por eles. O relatório identificou tráfego de ataques a partir de 161 países ou regiões, e mostra que a China permanece no topo como fonte de ameaças de maior volume observado, com 43%. Os EUA caíram da segunda para a terceira posição, com 13%, e a Indonésia assume seu lugar, com 15%. O Brasil que estava em 8º lugar no último trimestre, sobe para a 7ª posição, com 1,7%.
Foram 270 ataques DDoS reportados pelos usuários Akamai no trimestre, queda de 5% em relação aos primeiros três meses do ano e de 15% no comparativo ano a ano. Os ataques no setor de tecnologia mantiveram ritmo crescente, com alta de 60%, enquanto o setor público registrou maior queda, de 54%.

4K
O ranking "4K Readiness", que analisa a entrega de streaming de ultra alta resolução (4K) e considera que é preciso 15 Mbps de capacidade para que vídeos sejam trafegados, identificou que apenas 12% dos países conectados à plataforma da fornecedora apresentaram conexão superior a essa velocidade. O Brasil caiu da posição 45 para 49 no trimestre entre 51 países, com 0,6% de suas redes capazes de realizar streamings em 4K.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

ESPECIAL ELEIÇÃO CONSCIENTE 2014: Como É Eleito Um Deputado?

Saiba como seu voto é calculado e quem você pode ajudar a eleger indiretamente nestas eleições.
Deputados são escolhidos a partir de cálculo da Justiça Eleitoral.


No Brasil, a escolha dos representantes para o poder Executivo, cargos como os de presidente da República e governador, é feita pelo sistema majoritário, baseado em uma conta simples: quem tiver mais votos ganha. Nas eleições para deputado federal, estadual e distrital, no entanto, o sistema é o proporcional, uma forma de escolha que possibilita a eleição de um candidato com poucos votos, enquanto um nome bem votado pode ficar fora do parlamento. Abaixo, entenda como funcionam as eleições proporcionais e saiba onde pode parar o seu voto:
Em quem o eleitor vota?
Cada eleitor vota em um candidato a deputado federal e outro a deputado estadual (ou distrital, se morar no Distrito Federal). Os deputados eleitos não são necessariamente os que têm mais votos, já que a definição passa pelo cálculo de dois números: o quociente partidário e o eleitoral.
Como se calcula quem ganha as eleições?
Primeiro, o total de votos válidos dos eleitores é dividido pelo número de vagas. Este é o chamado quociente eleitoral - ou seja, quanto cada partido ou coligação precisaria de votos para eleger um deputado. Por exemplo: em um estado com dois milhões de votos válidos e vinte vagas para a Assembleia Legislativa, o quociente eleitoral será de 100 mil.
Depois, os votos de cada partido ou coligação são divididos pelo quociente eleitoral. Se, no mesmo estado hipotético acima, um partido tiver 400 mil votos, ele irá eleger quatro deputados. Por fim, os quatro deputados mais bem votados do partido ou coligação serão eleitos.
Este sistema causa distorções?
Sim, pois candidatos com muitos votos podem não ser eleitos. Outros, com poucos votos, podem ganhar uma vaga.
Na última eleição, a hoje presidenciável Luciana Genro (PSOL) recebeu 129,5 mil votos para deputado federal pelo Rio Grande do Sul, sendo a oitava mais votada no estado. Genro não conseguiu um lugar entre os 31 deputados do estado, no entanto, e se tornou a candidata mais bem votada do País a não obter uma vaga. Isso ocorreu porque o PSOL não conseguiu atingir o quociente eleitoral do estado, e ficou sem vagas.
Também em 2010, Jean Wyllys (colunista de CartaCapital) foi beneficiado pelo mesmo sistema que prejudicou sua colega de partido. Com 13 mil votos, Wyllys se tornou o deputado federal eleito com a menor proporção de votos do País. O psolista ganhou uma vaga na Câmara graças à votação do seu colega Chico Alencar (PSOL-RJ), que teve 240 mil apoiadores. Com os votos de Alencar, Wyllys e outros, o PSOL-RJ teve direito a duas vagas na Câmara. Como Wyllys foi o segundo mais votado do partido, teve direito a essa vaga.
O que é um puxador de votos?
É um deputado que ajuda a eleger outros do seu partido com uma grande votação. Tiririca (PR-SP), por exemplo, recebeu 1,3 milhão de votos na última eleição, um valor bem acima do necessário para ser eleito. Com isso, conseguiu levar à Câmara mais três candidatos de sua coligação.
O efeito dos puxadores, porém, costuma ser hipervalorizado. Levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP) mostra que apenas 35 dos 513 deputados federais foram eleitos somente com seus próprios votos. Isso significa que conta mais o conjunto de votos nos candidatos do partido do que o efeito de grandes puxadores de votos.
O que é o voto em legenda?
É o voto dado a um partido, e não a um candidato. O eleitor pode escolher votar numa legenda e, desta forma, ajudá-la sem escolher um candidato em específico. Este voto conta para o partido, ou coligação, chegar ao quociente eleitoral.
O que é um suplente?
Se um deputado sai do seu cargo, o primeiro candidato mais votado da coligação assume a vaga. Geralmente a saída do cargo ocorre quando um parlamentar assume ministérios, secretarias ou o Executivo. Apenas em 2013, devido à posse de prefeitos e secretários, 17 deputados suplentes assumiram os mandatos na Câmara no início do ano.
É possível saber quem meu voto está ajudando?
Sim. Deve-se levar em conta os candidatos do partido ou da coligação em que se está votando. Em 2014, por exemplo, o eleitor de São Paulo que votar em um candidato do PT pode ajudar a eleger nomes do PCdoB, porque os dois partidos fizeram uma coligação no estado. Da mesma forma, o eleitor paulista que votar em um candidato do PSDB pode ajudar a eleger nomes do DEM e do PPS, coligados com os tucanos.
Em Minas Gerais, a situação é diferente. O eleitor que votar em um candidato a deputado federal do PT estará ajudando a eleger nomes de toda a coligação: PMDB, PCdoB, PROS e PRB. O eleitor de Minas que apostar em um deputado federal tucano, por sua vez, pode ajudar a eleger candidatos de outros 13 partidos, todos da coligação encabeçada pelos tucanos: PP, DEM, PSD, PTB, PPS, PV, PDT, PR, PMN, PSC, PSL, PTC e SD.
Todas as coligações proporcionais por estado podem ser verificadas no site do Tribunal Superior Eleitoral.
Quantos votos um partido precisa para eleger um deputado?
Depende. Este número varia conforme o número de eleitores do estado, o número de vagas, abstenção dos eleitores e votos que foram anulados. Segundo dados do TSE, nas últimas eleições o maior quociente eleitoral foi em São Paulo. Para eleger um deputado federal, o partido ou coligação teve de alcançar 314.909 votos. Para conseguir um deputado estadual, precisou de 230.585 votos.
Os menores quocientes em 2010 foram os de Roraima, onde os partidos tiveram de somar 27.837 votos para eleger um deputado federal e 9.370 para eleger um estadual.
Um senador é eleito da mesma forma?
Não. Um senador é eleito por voto direto. Caso ele saia do cargo, quem assume é um suplente que foi eleito junto com ele. Os suplentes de cada candidato também podem ser checados no site do Tribunal Superior Eleitoral.
Quais as alternativas para isso?
O sistema proporcional vigente hoje é alvo de diversas críticas, mas há grande variedade de propostas de reformas eleitorais e políticas para mudar este quadro.
A CNBB, a OAB e outras entidades propõe que o eleitor vote primeiro em um partido e, posteriormente, escolha um candidato daquela legenda. As diversas propostas de reforma política apresentadas pelo PT na última década também pedem a chamada votação em lista.
O PSDB, por sua vez, defende uma mudança na divisão geográfica dos eleitores para o chamado voto distrital. Na proposta tucana, os estados seriam divididos em diversas partes, e cada distrito escolheria somente um candidato. Parte do partido defende o sistema misto, onde alguns dos candidatos seriam escolhidos por distritos e outros continuariam no modelo atual.

ATENÇÃO: EMPRESA SOMAR DIVULGA RESULTADO PARCIAL E COMUNICADO SOBRE ANDAMENTO DO CONCURSO DE 2012

 O Instituto Somar (anteriormente Somar Consultoria e Assessoria SC/Ltda) divulgou na última segunda-feira 29 um comunicado para os candidatos aprovados no concurso de 2012 que havia sido interrompido por um decreto anulatório do ex-prefeito Neném Mourão. Após a decisão conciliatória em favor dos aprovados, conduzida pelo novo Juiz de Direito de Buriti, Dr. Jorge Antônio Sales Leite, juntamente com o representante do Ministério Público Estadual, Dr. Clodoaldo Nascimento Araújo, e o prefeito Rafael Mesquita, ocorrida em 10 de setembro, esperava–se pela manifestação da empresa em reiniciar o certame do ponto em que foi parado.   
Em seu comunicado o Instituto informa que em breve vai disponibilizar o calendário das etapas para realização do recebimento de títulos e da prova prática. (Veja comunicado integral abaixo)

Para acessar as informações você pode ir direto para o site da empresa www.somar-ma.com.br, ou clicando nos links abaixo disponibilizados pelo CORREIO.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

CANDIDATO FÁBIO MACEDO, APOIO PELO GRUPO DE FLORA, FAZ CAMINHADA PELAS RUAS DE BURITI/MA

Candidato a deputado estadual Fábio Macedo realizou, na manhã desta segunda-feira (29/9), caminhada no centro comercial de Buriti ao lado da vereadora Vanusa Flora (PC do B) e de Antônio Flora, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais. O grupo de Flora é apoiador da candidatura de Fábio Macedo para deputado estadual, Flávio Furtado para federal e Flávio Dino para governador.
Após a caminhada na cidade, o candidato seguiu seu compromisso de agenda para Chapadinha, onde faria uma carreata; e para Vargem Grande, onde teria caminhada e comício.

VEJA ABAIXO MAIS IMAGENS DA MILITÂNCIA PELAS RUAS DA CIDADE.










JUSTIÇA ELEITORAL REALIZA AUDIÊNCIA PÚBLICA EM BURITI(MA), NESSA TERÇA-FEIRA 30, PARA TRATAR DAS ELEIÇÕES 2014


Amanhã, terça-feira 30, será realizada uma audiência pública no Centro de Apoio Pedagógico em Buriti/MA, às 19h. Serão tratados assuntos referentes à preparação e organização das Eleições Gerais de 2014. A atividade será presidida pelo Dr. Jorge Antonio Sales Leite, Juiz titular da 25ª Zona Eleitoral.
O Evento deve contar com a participação de autoridades do Ministério Público Eleitoral, Polícia Militar, Polícia Civil, vereadores, gestor, secretários municipais, mídias, partidos políticos e comunidade em geral. O Correio Buritiense(CB) foi formalmente convidado a participar.
Entre os temas abordados se destacam os seguintes: Propaganda Eleitoral – o que pode e não pode; responsabilidade dos candidatos; transporte de eleitores no dia das eleições; planejamento geral das atividades desenvolvidas pela 25ª Zona Eleitoral; atuação dos diversos órgãos públicos no suporte ao pleito eleitoral; o dia da eleição entre outros temas que surgirem.

sábado, 27 de setembro de 2014

ALUNOS FAZEM EXPOSIÇÃO DA FEIRA CULTURAL NO II MALUARTES DA ESCOLA ESTADUAL MARIA LUIZA

Os alunos do C.E. Maria Luiza Novaes Viana, em Buriti, realizaram na última terça-feira (23), segundo dia da Semana Cultural – II Maluartes, ao longo de todo dia, uma bela exposição de feira cultural. Além das exposições, também teve torneio de tênis de mesa, de xadrez, sessão de cinema 01, declamação e dramatização.
À noite, a exemplo do primeiro dia, competindo por prêmios, grupos de dança se apresentaram ao grande público presente na escola.
Finalizando a noite de apresentações, o Grupo de dança Angel Night promoveu um belo espetáculo que foi registrado em vídeo pela TV RCB e o Correio Buritiense (CB).
A II Maluartes contou com a participação de cerca de 978 alunos da escola e 92 funcionários, entre professores, administrativos, operacionais, vigias, diretora e coordenadora.

VEJAM ABAIXO IMAGENS DAS EXPOSIÇÕES DA FEIRA CULTURAL:

  


  
  
  
  
  
  

















 VEJAM ABAIXO IMAGENS DAS APRESENTAÇÕES DE DANÇA: