"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

(1º Princípio da Declaração de Chapultepec)

Visualizações desde 31 de Julho de 2009

COMO VOCÊ AVALIA OS 100 PRIMEIROS DIAS DA GESTÃO NALDO BATISTA?

IMPOSTOS MUNICIPAIS ARRECADADOS PARA BURITI-MA

Show do Festejo 2017

Show do Festejo 2017

Shows do Festejo 2017

Shows do Festejo 2017

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

0
Compartilhe:

Print Friendly and PDF


RAIMUNDO CAMILO TOMA POSSE COMO NOVO PREFEITO DE BURITI–MA



Em sessão extraordinária de hoje (26/11/2009) os vereadores deram posse ao novo prefeito, temporário, Raimundo Nonato M. Cardoso (Raimundo Camilo), até que haja realização de nova eleição, como determina a decisão da juíza Dra. Karine Lopes de Castro (25ª Zona Eleitoral).
Com a posse, o novo presidente da Câmara passou a ser o vereador Lauriel de Freitas Freire (PSDB) e com a vaga deixada pela saída de Raimundo Camilo assume o suplente Arcelino Ramos de Oliveira Filho (PP).
A sessão, que teve início ao meio – dia, foi marcada pela ausência do prefeito cassado, Neném Mourão, por nervosismos, amadorismos, choros e até acesso de loucura.
A decisão da justiça de cassar o prefeito Neném Mourão abriu uma porta para a saída de práticas abomináveis na política, como a compra de votos, e não será fechada por aqueles que as praticam, até porque o futuro chegou, e o futuro é hoje.
0
Compartilhe:

Print Friendly and PDF





“RECASSADO”: DERRUBADA A LIMINAR DO PREFEITO NENÉM MOURÃO


A liminar conseguida pelo prefeito cassado, Neném Mourão, que o mantinha de forma cambaleante no cargo, festejada com muita cerveja e música com seus seguidores, no último sábado (21/11/20009), foi derrubada ontem (25/11/2009) pelo TRE-MA.
A derrubada da liminar, e a consequente saída imediata do cargo do prefeito e a posse do presidente da Câmara de vereadores como novo prefeito, mais uma vez só foi anunciada pela juíza Dra. Karine Lopes de Castro (25ª Zona Eleitoral) após a chegada de reforço policial a fim de se evitar qualquer tipo de tumulto pelos partidários do prefeito cassado.


sexta-feira, 20 de novembro de 2009

0
Compartilhe:

Print Friendly and PDF


A CASSADA CONTINUA


Desta vez o premiado na chamada CASSAÇÃO, foi o prefeito de Buriti Francisco Evandro de Freitas Costa Mourão, o Nenem Mourão (PRB), e seu vice Lourival Batista da Silva (DEM), agora ambos serão titulados por EX.
A juíza Dra. Karine Lopes de Castro (25ª Zona Eleitoral), condenou os dois por compra de votos. Ela determinou ainda a realização de novas eleições na cidade com data ser definida pelo Tribunal Regional Eleitoral.
        Com receio de tumulto e quebra-quebra no município, a juíza só divulgou a sentença após a chegada de reforço policial à cidade. Neném Mourão (foto/TSE) é acusado de doar dinheiro, pares de chuteiras, cestas básicas e um milheiro de telhas a moradores de Buriti em troca de votos. O material era transportado em veículos da própria prefeitura. Como ele obteve 55,54% dos votos, deverá ser realizada nova eleição.

O ex-prefeito José Machado Vilar (PTB) ficou em segundo com 24,82% da votação no pleito de 2008, vindo em seguida, Antonio Ferreira Viana (PDT) com 15,23%, e José Marques com 4,41%.
P.S.: Se existe alguém que ainda tem dúvida de que mais prefeitos serão cassados. Eis aqui mais um alerta!

Fonte: Jônatas Carlos, http://www.saomateusemoff.com/2009/11/cassada-continua.html

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

0

PREFEITO DE BURITI É CASSADO POR COMPRA DE VOTOS

Compartilhe:

Print Friendly and PDF



        A juíza Karine Lopes de Castro (25ª Zona Eleitoral) cassou hoje o prefeito e vice-prefeito de Buriti, Francisco Evandro de Freitas Costa Mourão, o Neném Mourão (PRB), e Lourival Batista da Silva (DEM), respectivamente, por compra de votos. Ela determinou ainda a realização de novas eleições na cidade em data a ser definida pelo TRE. O republicano foi multado em 10 mil Ufirs e o democrata em mil.
          Com receio de tumulto e quebra-quebra no município, já que o prefeito é aliado do deputado Domingos Dutra (PT), a juíza só divulgou a sentença após a chegada de reforço policial à cidade.
        Neném Mourão (foto/TSE) é acusado de doar dinheiro, pares de chuteiras, cestas básicas e um milheiro de telhas a moradores de Buriti em troca de votos. O material era transportado em veículos da própria prefeitura. Como ele obteve 55,54% dos votos, deverá ser realizada nova eleição.
       O ex-prefeito José Machado Vilar (PTB) ficou em segundo com 24,82% da votação no pleito de 2008, vindo em seguida Antonio Ferreira Viana (PDT) com 15,23%, e José Marques Viana (PPS) com 4,31%.


segunda-feira, 16 de novembro de 2009

1

EDITORIAL 2 - 2ª EDIÇÃO

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


Avante, servidores!

O entardecer do dia 25 de julho de 2009 ficará na história de Buriti. Nessa data pode-se dizer que a população buritiense pode testemunhar o desenrolar de fatos que reunidos numa enciclopédia não transmitem as mesmas sensações daqueles que viram, ouviram e fizeram a história acontecer. Dezenas de professores e servidores, em um feito inédito, saíram do imobilismo e do anonimato para realizar um Ato público, na praça da matriz, em defesa dos seus direitos. A força desse movimento está ligada à representatividade do SINTASP/subsede de Buriti, reconhecida pelo Desembargador do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ/MA), Dr. Paulo Sérgio Velten Pereira que, no Agravo de Instrumento n° 21.223/2009, assegurou o afastamento renumerado dos professores Alex Borges e Ricardo da Zeneide, líderes do movimento recente que visa a valorização do servidor público municipal, para exercício da atividade sindical, que havia sido negado pela prefeitura municipal.
O grande número de filiados ao sindicato e a participação ostensiva dos mesmos nas assembleias tem sido mais fortes que a prepotência do secretário de educação e seus asseclas, que ficaram desnorteados diante das mudanças operadas pelo Tribunal de Justiça do Maranhão em relação aos líderes do movimento sindical em Buriti. Tanto é verdade que em outra decisão dos servidores, em resposta às tentativas canhestras do secretário em fragilizar a organização da categoria, por estimular desfiliações por meio de coação dos membros, decidiu-se por um segundo ato público, realizado no dia 11 de outubro de 2009, para dar um basta nesta situação. O sucesso foi imediato. O verdadeiro sindicato dos servidores saiu muito mais fortalecido.
Cada servidor tem um papel importante a cumprir na defesa dos interesses justos da categoria; entretanto o individualismo não ajuda e é necessário que você que ainda não está associado ao SINTASP filie-se e una forças para poder refrear e combater os abusos que os gestores públicos vêm praticando ao longo de seus mandatos
Não há dúvidas de que mudanças ocorrem quando as pessoas mudam, e não só quando fazem tudo para mudar o entorno. Mude. A representatividade do SINTASP em Buriti já está reconhecida pela justiça, portanto, venha fazer parte dessa história recente de lutas e conquistas, pois fazer a escolha inteligente entre várias opções de sindicatos pode convergir para apenas um futuro possível e justo.
2

EDITORIAL 1 - 2ª EDIÇÃO

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


Abuso e Intimidação

Há coisas em Buriti que devem ser reverberadas para que toda população saiba o tipo de mentalidade por trás de iniciativas prepotentes e grotescas que vem acontecendo recentemente.
A tentativa primária de intimidar o movimento sindical buritiense liderado pelos professores Alex Borges e Ricardo da Zeneide ganhou uma nova faceta, após o fracasso na tentativa dos métodos clássicos, como o deslocamento para povoados distantes da sede municipal. A dissimulação do secretário de educação ganhou novo capítulo ao enviar seus coordenadores e supervisores para convocar os professores, principalmente da EJA (educação de jovens e adultos) e outros servidores para uma assembleia que coroaria o triunfo da mediocridade de seus mentores: dar fôlego a um sindicato fajuto, que tem como bandeira principal atender aos interesses do prefeito em detrimento dos direitos dos servidores municipais. Ao agir de forma maquiavélica, o secretário afronta a Constituição Federal que em seu art.8, inciso I, diz “– É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: I – a lei não poderá exigir autorização do Estado para a fundação de sindicato, ressalvado o registro no órgão competente, vedadas ao poder público a interferência e a intervenção na organização sindical.
Como deixa claro o texto da Carta Magna, a ingerência do poder público na organização de sindicatos é inaceitável e muito melhor faria o secretário se na tal assembleia, em sua fala aos servidores, seguisse o exemplo do profeta Isaias que purificava seus lábios com carvão aceso para que eles não contaminassem a mensagem que transmitia.
O abuso em torno da criação desse sindicato extrapolou todos os limites da razoabilidade. O problema maior não está em reunir um grupelho de bajuladores, mas em pressionar, coagir e intimidar professores, exigindo a desfiliação dos servidores do Sindicato dos Trabalhadores Do Serviço Público Municipal SINTASP/subsede de Buriti, chegando ao ponto de enviar desfiliações via sedex. Essa tática utilizada para alavancar uma organização reflete a mesquinhez do projeto político do prefeito municipal e merece o repúdio da população buritiense, porque tais práticas não contam com a opinião daqueles a quem a organização diz representar.
Logicamente que para levar adiante seu projeto seria necessário que entre seus sectários houvesse algum capaz de revestir-se completamente da burrice contagiosa e de alto potencial nocivo aos servidores, que tomou conta desse governo municipal. Para esse papel principal de sabujo-mor designou-se o professor Gilson Lima, que se apresenta como presidente do sindicato do prefeito, mesmo estando ainda associado ao SINTASP, sindicato que de fato representa os servidores de Buriti. A iniciativa do prof. Gilson de desfiliar-se do SINTASP soa muito, mas muito estranho mesmo. Como alguém pode, de repente, mudar de opinião acerca da representatividade de um sindicato? Ou mesmo acreditar ingenuamente nas propostas de um sindicato criado por meio de intervenção do poder público? Certamente os fatores que levaram a sua mudança de posição estão contemplados em benesses que carecem de melhor explicação.
Para saber o interesse maior por trás da criação do sindicato do prefeito é importante salientar que o Ministério Público, no atributo de suas funções, não acatou, devido haver irregularidades, duas indicações de membros para o Conselho do Fundeb, colegiado responsável pela fiscalização das verbas federais para educação; exigindo que hajam novas indicações dos conselheiros representantes dos professores e dos agentes administrativos.
É compreensível, diante do fracasso na tentativa de controlar, em absoluto, o Conselho do Fundeb, que o secretário de educação e toda claque que compõe esse governo estimulasse filiações maciças, não instituindo forma alguma de limitação às falácias propaladas, como a de que o município já está pagando aos professores, praticamente, o piso salarial constitucional. É como diz o conhecido dito: quando se toma, de caso pensado, o caminho da mentira para fazer política, qualquer coisa pode acontecer.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

0

POLÍCIA DESARTICULA QUADRILHA QUE PLANEJAVA ASSALTOS A BANCOS NO MARANHÃO

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


    A Polícia Federal, a Polícia Civil do Maranhão e a Comissão de Combate ao Crime Organizado (Cico) do Piauí prenderam, na tarde de segunda-feira, oito suspostos assaltantes de bancos que se escondiam numa chácara no povoado Todos os Santos, na cidade de Teresina, no Piauí. Com eles, foram apreendidas armas e munição de grosso calibre. De acordo com a Polícia Federal, o grupo planejava mais um assalto a banco no interior do Maranhão.
     Entre os assaltantes, que são do Maranhão, foram presos dois que já são conhecidos da polícia piauiense, identificados como Cerqueira - que já foi dono de uma loja de pneus no bairro Dirceu Arcoverde, em Teresina - e Gildenácio Bicudo, ambos assaltantes de bancos na capital piauiense, com várias passagens pela polícia.
     Além dos dois automóveis usados pela quadrilha, um Honda Civic e um Siena, a polícia apreendeu na chácara em Todos os Santos dois fuzis mosquefal calibre 762, uma escopeta calibre 12, duas pistolas 380 e um revólver 44.
     Os suspeitos ficarão presos em Teresina até que a Justiça do Maranhão requisite os assaltantes. Eles também deverão ser apresentados em São Luís.
     Os policiais já estavam monitorando a quadrilha de assaltantes há semanas, acompanhando, inclusive, o deslocamentos dos suspeitos ao longo do território do Maranhão, até chegar a Teresina. De acordo com a PF, a intenção da quadrilha era realizar, nesta terça-feira, um assalto no município de Duque Barcelar, em Maranhão, a 516 km de São Luís, cidade que faz divisa com o estado do Piauí.
Fonte: Jornal O Globo 

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

1

O Correio Buritiense republica texto do Blog do Leandro Fortes

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


Lula poderia ter agido, como muitos de seus pares na política agiriam, com rancor e desprezo pelo Rio de Janeiro, seus políticos, sua mídia, todos alegremente colocados como caixa de ressonância dos piores e mais mesquinhos interesses oriundos de um claro ódio de classe, embora mal disfarçados de oposição política. Lula poderia ter destilado fel e ter feito corpo mole contra o Rio de Janeiro, em reação, demasiada humana, à vaia que recebeu – estranha vaia, puxada por uma tropa de canalhas, reverberada em efeito manada – na abertura dos jogos panamericanos, em 2007, talvez o maior e mais bem definido ato de incivilidade de uma cidade perdida em décadas de decadência. Vaiou-se Lula, aplaudiu-se César Maia, o que basta como termo de entendimento sobre os rumos da política que se faz e se admira na antiga capital da República. Fosse um homem público qualquer, Lula faria o que mais desejavam seus adversários: deixaria o Rio à própria sorte, esmagado por uma classe política claudicante e tristemente medíocre, presa a um passado de cidade maravilhosa que só existe, nos dias de hoje, nas novelas da TV Globo ambientadas nas oníricas ruas do Leblon. Lula poderia ter agido burocraticamente a favor do Rio, cumprido um papel formal de chefe de Estado, falado a favor da candidatura do Rio apenas porque não lhe caberia falar mal. Deixado a cidade ao gosto de seus notórios representantes da Zona Sul, esses seres apavorados que avançam sinais vermelhos para fugir da rotina de assaltos e sobressaltos sociais para, na segurança das grades de prédios e condomínios, maldizer a existência do Bolsa Família e do MST, antros simbólicos de pretos e pobres culpados, em primeira e última análise, do estado de coisas que tanto os aflige. Lula poderia ter feito do rancor um ato político, e não seria novidade, para dar uma lição a uma cidade que o expôs e ao país a um vexame internacional pensado e executado com extrema crueldade por seus piores e mais despreparados opositores. Mas Lula não fez nada disso. No discurso anterior à escolha do Comitê Olímpico Internacional, já visivelmente emocionado, Lula fez o que se esperava de um estadista: fez do Rio o Brasil todo, o porto belo e seguro de todos os brasileiros, a alma da nacionalidade. Foi um ato de generosidade política inesquecível e uma lição de patriotismo real com o qual, finalmente, podemos nos perfilar sem a mácula do adesismo partidário ou do fervor imbecil das patriotadas. Lula, esse mesmo Lula que setores da imprensa brasileira insistem em classificar de títere do poder chavista em Honduras, outra vez passou por cima da guerrilha editorial e da inveja pura e simples de seus adversários. Falou, como em seus melhores momentos, direto aos corações, sem concessões de linguagem e estilo, franco e direto, como líder não só da nação, mas do continente, que hoje o saúda e, certamente, o aplaude de pé. Em 2016, o cidadão Luiz Inácio da Silva terá 71 anos. Que os cariocas desse futuro tão próximo consigam ser generosos o bastante para também aplaudi-lo na abertura das Olimpíadas do Rio, da qual, só posso imaginar, ele será convidado especial.
Blog de Leandro Fortes: www.brasiliaeuvi.wordpress.com

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

2

TJ-MA recebeu denúncia contra prefeito Nenem Mourão, de Buriti

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


25/08/2009 20h14min
A 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça recebeu denúncias, nesta segunda-feira, 23, contra os prefeitos de Buriti, Francisco Evandro Freitas Costa Mourão, e de Palmeirândia, Antonio Eliberto Barros Mendes. Eles foram denunciados pelo Ministério Público Estadual e passarão a responder a ação penal perante o TJ-MA. De acordo com a primeira acusação, o prefeito de Buriti não teria encaminhado à Câmara Municipal a prestação de contas referente ao exercício financeiro de 2005. O gestor ainda teria prestado declaração falsa ao Tribunal de Contas do Estado, de que havia remetido as contas à Câmara, sem tê-lo efetivamente feito. O prefeito de Palmeirândia é acusado de deixar de cumprir ordem judicial emanada pelo TJ-MA, relativa à inclusão de um precatório no orçamento municipal, oriundo de uma ação de reparação de danos. O desembargador Joaquim Figueiredo, relator de ambas as denúncias, entendeu pelo seu recebimento, para que os fatos, em tese, ocorridos, sejam devidamente verificados durante a instrução criminal. O voto de Joaquim Figueiredo seguiu posicionamento do MP e foi acompanhado pelos desembargadores Lourival de Jesus Serejo (presidente da Câmara) e Raimundo Nonato de Sousa (substituto).
Fontes: Ascom/TJ-MA
1

MP encaminha denuncia contra o Prefeito de Buriti-MA

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


A denúncia foi encaminhada ao Tribunal de Justiça do Maranhão contra os prefeitos Francisco Evandro Freitas e Antonio Eliberto Mendes. A 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça recebeu denúncias, nesta segunda-feira, 23, contra os prefeitos de Buriti, Francisco Evandro Freitas Costa Mourão, e de Palmeirândia, Antonio Eliberto Barros Mendes. Eles foram denunciados pelo Ministério Público Estadual e passarão a responder a ação penal perante o TJ-MA.De acordo com a primeira acusação, o prefeito de Buriti não teria encaminhado à Câmara Municipal a prestação de contas referente ao exercício financeiro de 2005. O gestor ainda teria prestado declaração falsa ao Tribunal de Contas do Estado, de que havia remetido as contas à Câmara, sem tê-lo efetivamente feito.O prefeito de Palmeirândia é acusado de deixar de cumprir ordem judicial emanada pelo TJ-MA, relativa à inclusão de um precatório no orçamento municipal, oriundo de uma ação de reparação de danos.O desembargador Joaquim Figueiredo, relator de ambas as denúncias, entendeu pelo seu recebimento, para que os fatos, em tese ocorridos, sejam devidamente verificados durante a instrução criminal.O voto de Joaquim Figueiredo seguiu posicionamento do MP e foi acompanhado pelos desembargadores Lourival de Jesus Serejo (presidente da Câmara) e Raimundo Nonato de Sousa (substituto).

terça-feira, 4 de agosto de 2009

0

O Sobrevoo da Rapina

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


A Polícia Federal, juntamente com a Controladoria-Geral da União (CGU), desencadeou em 28 de abril de 2009, a chamada “Operação Rapina IV”, um desenrolar da Rapina III (2009), que se iniciou de um inquérito policial que tramita na Superintendência de Polícia Federal no Maranhão, desde o ano de 2007. A operação envolveu cerca de 170 policiais federais, com apoio de 25 analistas da CGU e teve como objetivo cumprir 21 mandados de prisão temporária, 42 mandados de busca e apreensão, além de 15 mandados de condução coercitiva, expedidos pela Justiça Federal no Maranhão. A investigação durou um ano e meio, e de acordo com a PF objetivava desarticular uma quadrilha que estaria atuando nas cidades de Montes Altos, São Pedro da Água Branca e Governador Edison Lobão, no interior do Maranhão. Segundo a PF e a CGU, no esquema, coordenado por prefeitos e servidores públicos de municípios da região, que envolvia também escritórios de contabilidade e empresários, as prefeituras citadas fraudavam licitações, balancetes contábeis, utilizavam notas fiscais falsas de empresas de fachada, que encobriam desvios e apropriações ilícitas de recursos públicos oriundos de convênios, fundos e planos nacionais. Apurou-se um prejuízo aproximado de R$ 14 milhões aos cofres públicos. Um fato que chamou a atenção, e deixou prefeitos da região em alerta, foi a prisão de Sérgio Ricardo Viana Bastos, vice-prefeito de Coelho Neto (município vizinho a Buriti – MA), que, segundo a PF, participaria de uma quadrilha especializada no desvio de verbas públicas na cidade de Montes Altos. A PF e a CGU tem agido de forma impiedosa no combate ao desvio de verbas públicas, tendo, inclusive, cumprido mandados de prisão decretados pela Justiça, executando ações que contribuem para uma melhor transparência na utilização dos recursos públicos. Sendo assim, é bem vinda essa operação e que venha a “Rapina V” e em seu sobrevoo aviste mais sanguessugas do dinheiro do povo e aquele prefeito que tiver sujeira que procure se esconder.
Fonte: www.jornalpequeno.com.br www.45graus.com.br

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

0
Compartilhe:

Print Friendly and PDF


“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.”
0

VITÓRIA DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


Em uma decisão quase unânime (8 votos a 1) o Supremo Tribunal Federal (STF), no dia 17 de junho, derrubou a exigência do diploma de jornalista para o exercício da profissão. Trata-se de uma segunda decisão importante do STF na área de comunicação neste ano, antecedida pela revogação total, em 30 de abril, da Lei de Imprensa, editada pela ditadura militar em 1967. O entendimento do STF sustenta-se claramente no artigo V da Constituição Federal, que assegura a liberdade de expressão e de pensamento e o livre exercício de atividade intelectual e de comunicação. Além disso, limitar a oferta de informação de qualidade a profissionais com diploma de curso de jornalismo atenta contra a Constituição, empobrece a profissão e reveste-se de um anacronismo na era da internet.
É imprescindível a existência de bons cursos de jornalismo, entretanto limitar a atividade jornalística a diplomados certamente não contribui para a disseminação de idéias e opiniões que qualquer cidadão tenha e deseje expressar em colunas de jornais, revistas ou mesmo informativos como este Correio. É por julgar a liberdade de expressão um bem sublime a todo país verdadeiramente democrático que este Correio Buritiense louva a decisão do STF.

sexta-feira, 31 de julho de 2009

1

ZOOM

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


1

Repasses para Educação de Buriti

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


Nos últimos seis anos o volume de dinheiro repassado para educação de Buriti tem crescido vertiginosamente. Confira abaixo os milhões de reais e reflita sobre as condições das escolas urbanas e, sobretudo, das rurais do município: ANO: Repasse médio em R$ (milhões:) 2004 = 3.387.540,00 2005 = 4.300.000,00 2006 = 4.459.950,00 2007 = 7.353.000,00 2008 = 9.396.000,00 2009* = 13.396.000,00 Fonte: www.fnde.com.br *valor previsto para este ano.
0

EDITORIAL 1

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


Perseguição explícita

Em fevereiro de 2008, em um de seus atos truculentos, o atual Prefeito de Buriti tentou intimidar o mais novo movimento dos professores em defesa dos seus direitos ao transferir o professor Alex Borges, membro da comissão que representa o sindicato regional dos servidores no município e uma das lideranças do movimento, do povoado Vila da Pitombeira para o Baixão do Cedro, distante mais de 40 km da sede municipal.

A tentativa de desestabilizar o movimento não se limitou apenas ao professor Alex Borges. Outro membro atuante do grupo, o professor Ricardo da Zeneide também foi vítima do assédio moral instituído pelo secretário de educação quando o transferiu para o povoado Laranjeira.

O descalabro do secretário chegou ao ponto de ameaçar chamar a polícia (isso mesmo que você leu!) para expulsar de sua sala o professor Alex Borges. Nessa tentativa de fazê-lo calar por meio da força policial, o secretário faria uso de um dispositivo que lhe permitiria esconder o próprio rosto no momento oportuno de um debate cara a cara. É evidente que tal compostura reflete o desapreço desse governo municipal pela opinião pública e reforça as teses da neurociência, ao ter em seu secretariado mentes forjadas para uma existência pré - histórica.

Poderia tratar-se apenas de uma simples mudança, comum em alternância de poder nesse município, entretanto, a julgar pela atitude do secretário de educação, há uma tentativa explícita de dissimular seu verdadeiro propósito. Pela espantosa desfaçatez do secretário em revelar o motivo que induziu o prefeito a deslocar o professor Alex Borges para um povoado próximo de Chapadinha não restam dúvidas sobre má fé e o instinto vingativo da atual administração ao ter seus propósitos e objetivos mais espúrios sendo desmascarados por esse movimento sindical liderado pelos professores Alex Borges e Ricardo da Zeneide e que cada vez mais ganha simpatia e adesão dos demais professores e também da população buritiense.

Note - se, entretanto, que por trás dessas medidas toscas esconde-se o desejo de instituir uma fratura profunda no movimento recente que visa resgatar a valorização do servidor público municipal. Aliás, é necessário que se alerte para o oportunismo de pelegos interessados em prestar serviços bajulatórios através de outro sindicato de fachada, que, obviamente, não representa nenhum setor e muito menos contempla os interesses justos dos professores. A falta de representatividade de tal sindicato chega a ser risível, quando não se conhece seus dirigentes eleitos, nem quando houve eleição e muito menos ainda se sabe o endereço oficial dessa entidade.

A luta dos professores consiste em ter direitos cumpridos como, por exemplo, o acesso aos gastos dos recursos da educação, respeito ao estatuto municipal do magistério, pagamento adequado de abonos, destinação dos descontos do INSS, entre outras reivindicações. No entanto, como é de praxe de autoridades políticas locais não zelar pela transparência nos gastos, todas as vezes que uma voz tenta mostrar a verdade (só o conhecimento e verdade libertam) o poder executivo faz uso desse dispositivo arbitrário como forma de intimidação, que, na verdade, em última análise, trata-se ,nessa situação,de uma medida desesperadora do atual prefeito, tendo em vista que o seu método clássico de silenciar lideranças não funciona nem funcionará com a nova comissão do sindicato.

É importante agora que toda a categoria mantenha-se unida contra outras tentativas semelhantes de manipulação, principalmente porque não são os professores Alex Borges e Ricardo da Zeneide que estão sob ataque, mas sim, o direito de todo cidadão buritiense de conhecer a verdade.

← Anterior Página inicial

Usuários on-line


usuários online