!-- PLUGIN BARRA DE COOKIES -->
ULTIMAS NOTÍCIAS
Carregando...

PREFEITO ARNALDO CARDOSO REINAUGURA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO POVOADO LARANJEIRAS

A reabertura desta UBS é mais uma ação da prefeitura municipal para melhorar o atendimento à população de Buriti. De acordo com a SEMUS, amanhã (1º) será a vez da UBS da Vila Pitombeira.

Prefeito Arnaldo cumprimenta moradores durante reabertura da UBS - Foto: Divulgação/Secom

O Prefeito de Buriti-MA, Arnaldo Cardoso, reinaugurou na manhã desta quarta-feira 30/6 a Unidade Básica de Saúde do povoado Laranjeiras. Arnaldo entregou aos munícipes da comunidade uma estrutura readequada com equipe médica para atendimento.


Juntamente com o prefeito, o secretário municipal de Saúde Carlos Mailson, a secretária adjunta Ataína Mourão, os funcionários públicos, os vereadores Reginaldo da Van, Ednaldo Freitas, Djailson Vein, Matheus Lafaet, o vereador Chaguinha de Mata Roma e a comunidade em geral participaram da solenidade de reinauguração.

Confira a reportagem de Márcio Cardoso/Secom 

A equipe técnica que trabalha na UBS da Laranjeiras volta agora a atender seus pacientes a partir de hoje (30). Diversos serviços foram realizados: testagem e aplicação de vacinas contra covid-19, consultas e atendimento odontológico.  Estiveram atendendo aos moradores da região o doutor Tânios, a enfermeira Thamires Carvalho, a técnica Érica Martins, as ACS´s (agentes comunitárias de saúde) Eliane e Nirlete, zeladora e motorista João Brito.


É muito importante destacar que com a reabertura de UBSs evita-se que a população tenha de se deslocar até a sede municipal para ter os serviços de atendimento básico efetuados. A Semus informou, inclusive, que amanhã, 1º de julho, já fará também a reabertura da UBS da Vila Pitombeira.

 MAIS IMAGENS DA INAUGURAÇÃO




















 (Publipost/ fotos/créditos: SECOM)

SUPERLIVE - Secretaria de Cultura de Buriti-MA valoriza artistas locais na 1ª noite de festa virtual do Projeto SONHO JUNINO BURITIENSE

  

As festas juninas estão entre as mais populares e antigas festividades brasileiras. Com a pandemia, desde do ano passado, essa tradição no mês de junho ficou comprometida. Porém, na nova administração municipal do prefeito Arnaldo Cardoso (PL), a Secretaria Municipal de Cultura, contando com apoio da Secretaria Municipal de Administração e Finanças-SEMAF, inovou e implementou o Projeto Cultural SONHO JUNINO BURITIENSE para não permitir que a magia e a alegria do São João se apagassem devido à crise sanitária.

E na 1ª noite de SuperLive Cultural dessa segunda-feira 28/6, a festa junina online contou com várias apresentações musicais da Terra de Inácia Vaz, quadrilhas, danças e muitas outras atrações. 




Confira mais detalhes no vídeo produzido pelo repórter Márcio Cardoso.

(Publipost/Imagens da SECOM)

SARGENTO FLORISMAR É PROMOVIDO A SUBTENENTE DA POLÍCIA MILITAR POR MERECIMENTO

1º Sargento da PM do Maranhão, Florismar Batista Costa, 55 anos, foi promovido para SUBTENENTE por merecimento pela Comissão de Promoções de Praças da Polícia Militar (CPPPM), que divulgou a RELAÇÃO DEFINITIVA dos Policiais PROMOVIDOS, a contar de 17 de junho de 2021, na última quarta-feira 23/6.

Subtenente da PM Florismar 

CONFIRA AQUI RELAÇÃO DEFINITIVA DOS PMS PROMOVIDOS EM JUNHO DE 2021.

O agora Subtenente Florismar, 55 anos, natural de Chapadinha/MA, entrou na Polícia Militar em 26 de maio de 1986 e chegou a Buriti/MA, já como Cabo, em 10 de junho de 1992.  Por três anos e nove meses atuou como delegado da cidade, na administração do ex-prefeito Dr. Alan Novais Viana.

 Sempre dedicado durante todo esse período chegou a dispensar o uso de licenças prêmio e férias que a lei lhe garantia para atuar no combate à criminalidade.

Atuou nos Departamentos de Polícia Militar (DPM’s) dos municípios de Araioses, Água Doce, Brejo, Chapadinha, Magalhães de Almeida e São Benedito do Rio Preto, além, claro, de mais de 13 anos de serviços militares dedicados a Buriti/MA, onde constituiu sua família. Atualmente, está trabalhando em São Bernardo.

Florismar é casado com a professora Kátia Feira, pai de duas filhas, todas duas formada no curso de Direito, conquistado com muita dificuldade e esforço. Hoje, uma delas trabalha como assessora na presidência da Câmara de Vereadores de Buriti (MA). Há 28 anos o sargento tem residência fixa no município, o que lhe rendeu o título de cidadão buritiense, na época requerido pelo ex-vereador Benedito Caetano.

Este CORREIO presta homenagens a este combatente certo de que muito colaborou ao longo desses 35 anos de serviços prestados a polícia militar. Em seu comando da PM em Buriti/MA, sempre apoio o papel da imprensa livre e jamais tentou impedir que este blog agisse para divulgar informações relevantes à comunidade, ainda que editoriais fossem críticos da atuação da polícia.

Parabéns, Subtenente Florismar, pela promoção e por seu trabalho e atuação em garantir a segurança da população!

CÂMARA DE BURITI-MA IMPÕE DERROTA AO PREFEITO ARNALDO CARDOSO E DEVOLVE PROJETO DE LEI DAS RPVs AO PODER EXECUTIVO

A Câmara Municipal impôs uma derrota preocupante ao prefeito Arnaldo Cardoso na sessão ordinária da última sexta-feira 25/6 e devolveu o projeto de lei nº 005/2021 apresentado pelo poder executivo com fixação do valor dos pagamentos de obrigações de pequeno valor que a prefeitura deve fazer em virtude de sentenças judiciais transitado em julgado. O PL que continha procedimentos e limites de pagamentos das requisições de pequeno valor (RPVs) devidas pelo município teve seis votos contrários e dois favoráveis.

O projeto de lei tinha por objetivo designar no município de Buriti-MA como valor máximo o benefício do regime geral da previdência social, atualmente em torno de R$ 6.433,57, para pagamentos das Requisições de Pequeno Valor (RPV). A medida abrange todos os servidores municipais em casos de processos contra a prefeitura sentenciados pela justiça e em conformidade com a Emenda Constitucional nº 62 de dezembro de 2009, que regulariza o pagamento de RPVs de acordo com a situação financeira do município.

No caso de decisões judiciais expedidas antes desta lei proposta vigorar, seria obedecido o limite de 30 (trinta) salários mínimos. Foi neste ponto que se instalou a divergência dos vereadores que rechaçaram a proposta do executivo, cujo limite estabelecido seria de apenas 6 mil reais, considerado, portanto, muito baixo pela Câmara.  Caso o valor da execução judicial ultrapassasse o limite estabelecida na Lei, o montante do pagamento se faria por precatórios, forma de pagamento que pode levar anos para ocorrer, diferentemente, das RPVs que devem ser efetuados em até 60 dias. 

Na tentativa de salvar o projeto do executivo, a presidente da Câmara Municipal Profa Naires Freire (PL) propôs a emenda modificativa nº 03/2021, alterando o art.2° do Projeto de Lei n° 05/2021, onde a quantia apurada prevista para RPVs não ultrapassasse o valor do maior benefício do regime geral de previdência social fosse transformado para o valor teto de 10 (dez) salários mínimos, em valores atuais, R$ 11.000,00 (onze mil reais).

A vereadora Andréa Costa (Republicanos), presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal, emitiu parecer contrário ao PL nº 05/2021, afirmando divergir totalmente por entender que a emenda proposta pela vereadora governista Naires iria ferir o princípio da IRRETROATIVIDADE de Lei. “A Constituição Federal e por via de consequência o Ordenamento Jurídico brasileiro abraçam a tese de que o Direito Adquirido e a coisa julgada são intocáveis, isto é, as sentenças judiciais transitadas em julgado, como no caso dos precatórios e de todas as demais demandas judiciais vencidas pelos servidores e o órgão público não recorreu não podem ser modificadas ao talante do mesmo ente público.”, afirmou a vereadora no parecer contrário.

“Trata-se no meu senti, o Projeto de Lei em discussão em um conflito de Lei no tempo, que configura IRRETROATIVIDADE DE LEI, a Lei nova não atinge a norma anterior, não pode prejudicar direitos que a Lei anterior garantiu. Assim está visível, no meu entendimento, que o Projeto de Lei 05/2021 a de ser modificado, submetendo-se a sua devolução ao Excelentíssimo Senhor Chefe do Poder Executivo buritiense.”, concluiu Andréa Costa.

Após apresentação do parecer para apreciação do Plenário Legislativo, os vereadores Jorge do Sindicato (Republicanos), Hélio Flora (PSC), Toinho Francês (PSC), Djailson (PSC), Andréa Costa (Republicanos) e Matheus Lafaet (Patriotas) votaram favorável ao entendimento da Comissão, rejeitando a emenda proposta pela presidente da Câmara, Profa Naires (PL), ficando assim prejudicado o PL, o que ocasionou sua devolução ao Poder executivo.  Somente os vereadores Didi do Mocambinho (Republicanos) e Ednaldo Freitas (PL) foram favoráveis. Laudelino Mendes (PSC) e Reginaldo da Van (Republicanos) não compareceram à sessão.

JOGO DO PODER

A proposta do prefeito Arnaldo não foi bem digerida por parte dos vereadores da própria base, outros nem sequer compareceram à sessão, e essa derrota num tema que não é tão sensível acende o sinal amarelo para a administração municipal, cujas insatisfações já começam a reverberar na Casa Legislativa.

Nessa mesma sessão, inclusive, o vereador governista Djailson (PSC) rasgou o verbo contra o secretário de Obras do Município, o ex-vereador Rosim, dizendo na Tribuna da Câmara que a limpeza pública não seria agregada à pasta do secretário.  “Quer fazer política, mas não em cima da limpeza pública”, disparou.

 Confira abaixo a íntegra do PL rejeitado pela Casa Legislativa



*Texto editado para acréscimo do PL 05/2021

Prefeito Arnaldo Cardoso recebe Comitiva Estadual dos Direitos Humanos que acompanha o caso de comunidades rurais atingidas por agrotóxicos em Buriti-MA


Foto: Divulgação/SECOM

Prefeitura garantiu dar total suporte às ações implementadas naquela região e medidas que possam melhorar as condições dos moradores das comunidades atingidas.

O prefeito de Buriti-MA Arnaldo Cardoso (PL) recebeu na tarde de hoje (26), no Palácio Bernardo Costa de Almeida (Prefeitura Municipal), uma Comitiva Estadual dos Direitos Humanos que esteve visitando as comunidades rurais do Araçá e Carranca, localidades municipais, recentemente, atingidas por agrotóxicos e que foram destaque em âmbito nacional.

 Na pauta do encontro, estava a parceria da prefeitura de Buriti-MA para garantir suporte às ações implementadas naquela região e medidas que possam garantir melhorias para as condições dos moradores das comunidades atingidas.  O prefeito Arnaldo Cardoso prontamente se comprometeu em dar apoio à Comissão e reforçou seu compromisso com o desenvolvimento local e cultura de não violência no campo.   

Participaram do encontro, o Secretário de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular, Chico Gonçalves, o Superintendente do Orçamento Participativo da Sedihpop, Gilvan Silva, o Secretário Adjunto de Direitos Humanos e presidente da Comissão Estadual de Prevenção à Violência no Campo e na Cidade, Jonata Galvão, o Padre Chagas, do programa de Assessoria Rural da Diocese de Brejo, e o Major Jovan Sampaio Vieira, comandante do 16° Batalhão da Polícia Militar – Chapadinha.

(Publipost/SECOM)

Supermercado é responsabilizado por constranger cliente sob alegação de furto de sandália

Um supermercado foi responsabilizado por constranger uma cliente na saída do estabelecimento, sob alegação de conferência de produtos. A sentença, proferida pela 15a Vara Cível de São Luís, resultou de ação movida por uma mulher, tendo como parte demandada Mateus Supermercados, na qual ela alegou ter sido constrangida na saída da loja, sob suspeita de ter furtado uma sandália. A rede de supermercados foi condenada a indenizar a autora em 4 mil reais. 

O ponto central do processo refere-se à ocorrência de abordagem da parte demandante, sob acusação de furto e caracterização de reparação moral. A sentença coloca que ficou comprovada a ocorrência de abordagem da parte demandante no estabelecimento comercial do supermercado, em julho de 2016, ratificando tais relatos da parte demandante e da suspeita quanto a subtração de uma sandália do supermercado demandado. “Mais ainda. Da análise das provas, aliada à dinâmica dos fatos relatados, verifica-se que não restou caracterizado como uma mera conferência de mercadorias, como suscitou a parte demandada, notadamente pelos moldes da abordagem realizada, qual seja, por vários funcionários da empresa”, descreve.

Foi constatado que a autora foi retirada do meio de parentes que a acompanhavam nas compras e que a ocorrência foi efetuada em local público e em meio a grande número de pessoas. “Não havendo que se falar, assim, em inexistências dos referidos fatos, como argumentado pela parte demandada, com alegação de ausência de registro em seu livro e de solicitação para preservação das imagens, referente ao ocorrido dentro do estabelecimento comercial, providência que era de sua responsabilidade trazer ao processo (...) Por outro lado, cumprindo com seu papel, a demandante demonstrou a impertinência da acusação de furto de sandália do estabelecimento comercial demandado, bem como de todo um constrangimento indevido face a abordagem realizada pelos funcionários da parte demandada”, observa.

“Cumpre ressaltar que a relação jurídica estabelecida entre as partes é nitidamente de consumo, dada a natureza da relação contratual estabelecida entre as partes, de um lado um fornecedor/prestador de serviços, de outro uma pessoa física que usufrui dos serviços comerciais disponibilizados de forma geral, ensejando a aplicabilidade do Código de Defesa do Consumidor à situação em apreço (…) Registre-se, por oportuno, que para a caracterização da responsabilidade e do dever de indenizar, devem ser observados os pressupostos fundamentais, que consistem na culpa ou dolo do agente, conduta, o dano e o nexo de causalidade, que restaram devidamente caracterizado no caso em apreço”, constata a sentença.

Por fim, esclarece que, no tocante à fixação da indenização moral, é necessária a devida observância dos princípios da razoabilidade e proporcionalidade, além das peculiaridades do caso em concreto, que conforme pode se inferir das declarações das testemunhas pode-se se graduar como de patamar médio, visto que restou caracterizado o constrangimento. “Daí, revela-se adequado o valor estabelecido para a situação em apreço, reconhecendo como lesiva a conduta da parte demandada”, concluiu a sentença, ao julgar procedente o pedido da mulher.

(Assessoria de Comunicação/TJMA)

PRODUTIVIDADE - Juízes devem demonstrar presteza e celeridade para progressão na carreira da magistratura

A Corregedoria Geral da Justiça do Maranhão (CGJ-MA) estabeleceu novas regras para a mensuração dos critérios da produtividade dos juízes de direito, que são considerados para efeito de promoção, remoção e acesso ao segundo grau de jurisdição por merecimento na carreira da magistratura estadual.

No Provimento 26/2021, a CGJ-MA atualizou a sistemática atual de mensuração, considerando a necessidade de atualização dos dados indicadores objetivos, relativos à produtividade dos juízes que atuam na Justiça de Primeiro Grau (varas, juizados especiais e turmas recursais).

O Provimento adota cinco critérios para fins de avaliação de merecimento para progressão na carreira da magistratura: “desempenho, produtividade, presteza, aperfeiçoamento técnico e ética”, seguindo parâmetros definidos na Resolução nº 106, de 6 de abril de 2010, do Conselho Nacional de Justiça.

Segundo o texto da norma, a produtividade, como critério objetivo que deve ser levado em conta, “representa o aspecto quantitativo da prestação jurisdicional e será mensurada a partir da estrutura de trabalho e do volume de produção dos juízes”.

PRESTEZA E CELERIDADE

Segundo o Provimento, o critério da “presteza” será medido com base na “dedicação do magistrado, que irá considerar a participação do juiz em projetos que promovam o enfrentamento à violência contra a mulher, casamentos comunitários, erradicação do sub-registro, justiça itinerante, conciliação, combate à corrupção, mutirões e outras ações do Judiciário.

Quanto à “celeridade” na prestação jurisdicional, será verificada pelos dados lançados nos sistemas de acompanhamento processual, levando em conta a observância dos prazos processuais, computando os processos com prazos vencidos e os atrasos injustificados.

Nesse critério, serão considerados o adiamento, a redesignação ou cancelamento injustificados de audiências ou sessões; o número de processos conclusos há mais de cem dias; e o número de cartas precatórias, de ordem e rogatórias pendentes de cumprimento há mais de cem dias.

PRODUÇÃO E ESTRUTURA DE TRABALHO

Para a avaliação do volume de produção e a estrutura de trabalho serão levados em conta os seguintes quantitativos: número de audiências e de audiências de instrução designadas e realizadas;  número de sessões das turmas recursais e do Tribunal do Júri designadas e realizadas; número de homologações de acordos pré-processuais e processuais; número de decisões interlocutórias; número de sentenças (exceto em Turmas Recursais); número de acórdãos e decisões proferidas em substituição, em convocação ou auxílio no segundo grau, bem como em turmas recursais dos juizados especiais; número de processos julgados, por classe processual e com priorização dos processos mais antigos, considerando apenas o primeiro julgamento do processo na instância

Também entram na avaliação o número de cartas precatórias, de ordem e rogatórias recebidas e cumpridas; o número de pedidos de benefícios registrados/distribuídos e número de pedidos de benefícios decididos em execução penal; o número de procedimentos ou pedidos distribuídos e decididos pelos juízes das Centrais de Inquéritos e Custódia; o número de embargos às execuções distribuídos e de sentenças proferidas nos feitos da respectiva classe nas varas de competência exclusiva de execução fiscal; o número de requerimentos distribuídos e decisões proferidas em varas de violência doméstica com competência exclusiva para medidas protetivas de urgência e os processos em tramitação na unidade, considerando o acervo total e o acervo a ser julgado.

Com a instituição desse novo Provimento, assinado em 25 de junho, fica revogado o Provimento nº 10/2020.

(Assessoria de Comunicação/TJMA)

 

Coluna SEXTA DE NARRATIVAS - DONA ROSICA E DONA CATARINA, ASSISTENTES ESPECIAIS

O meu inesquecível Grupo Escolar Antonio Faria na minha Buriti querida, além de ter na minha época de Curso Primário uma seleta Equipe de Normalistas, que equivaleriam sem nenhum demérito às Mestras de hoje, pois formavam uma verdadeira constelação de profissionais do Magistério, tal era a formação delas. Tiveram como suas Assistentes Especiais, Dona ROSICA, a Vigilante, e Dona Catarina a chefe da Limpeza e organização da Dispensa/Cantina, no meu entendimento, Perfeitas.

Dona ROSICA, Bonita, Simpaticíssima, Educada, Alegre e atuante, punha sobre os seus ombros as áreas administrativas da Disciplina, do lanche, da limpeza e do controle e organização da entrada e formação da fila para prestar a homenagem diária ao Pavilhão Nacional Brasileiro, com o cântico do Hino Nacional, da Bandeira, da Independência do Brasil e do Estado do Maranhão, variando dia após dia, para só então perfeitamente organizados, pudéssemos ingressar em sala de aula e esperarmos de pé a chegada das professoras.

Às sete horas matinais ela já estava percorrendo a pé, a avenida Coronel Lago Júnior, seguindo pela Praça Felinto Faria e ingressando na hoje Avenida Candoca Machado, rumo ao velho Antonio Faria de tantas GLÓRIAS. Ao adentrar na sala administrativa, armava - se com a sua inseparável Campainha, com a qual chamava o alunado para a primeira aula: a Cívica. Conseguia manter a disciplina e a ordem nas cinco salas de aulas cada uma com 50 estudantes e no corredor do Grupo, coordenava a cozinha e o setor de limpeza a cargo da sua fiel escudeira, a meiga e também simpática Dona Catarina, atendia todas as solicitações das professoras, sempre com um semblante de alegria, diariamente. Eu nunca vi dona Rosica demonstrar mau humor, raiva, ou tristeza, ainda que no nosso meio existissem uma meia dúzia de capetas, como eram chamados naquele tempo os mais, digamos hiperativos. Ela sabia todos os hinos usuais brasileiros, incluindo os das Forças Armadas, das FÉRIAS, da IGREJA, e vivia a cantarolá-los, sem perturbar o seu trabalho e das demais servidoras. Era comum ouvir a sua bonita voz entoando "eu confio em nosso Senhor, com FÉ, esperança e AMOR, ou nós somos da Pátria AMADA fiéis soldados por Ela AMADOS e outros hinos.

Não conheci servidores do Antonio Faria. No entanto, os serviços prestados por dona ROSICA e dona CATARINA eram simplesmente irretocáveis.

Era muito prazeroso vê-la trabalhando sempre contente e de bem com todos, com a VIDA! Foi uma convivência muito saudável e enriquecedora para todos nós que tivemos a graça e a honra da sua companhia!

Dia de festa era costumeiramente a primeira da organização e orgulhosa asseverava: temos que ser impecáveis para não perdermos o primeiro lugar, fosse nos desfiles ou nos saraus literários estudantis no Saudoso e maltratado CINE TEATRO MUNICIPAL, que hoje sofre desprezado pelas más gestões municipais.

A dedicação e a torcida de dona Rosica pela nossa Escola, embora com muito respeito às demais Escolas (Escolas Reunidas Municipais e Escola Paroquial) eram iguais a um Amor de Mãe pelos seus filhos e filhas. O Grupo Escolar Antônia Faria tinha de ser o primeiro Lugar, vibrava ela!

Foi durante toda a sua vida profissional, distinguida por mérito, tanto pelos alunos, inclusive os capetas, quanto pelas nossas maravilhosas professoras, pelos buritienses e pelas buritienses que viveram o seu tempo e o seu trabalho. Vi e abracei efusivamente dona ROSICA pela última vez no recebimento das provas finais do meu honroso Quinto Ano Primário, já matriculado na minha também Querida Escola Técnica Federal do Maranhão. Recebi dela um abraço eloquente e CARINHOSO acrescido do PARABÉNS Djalma, pelas duas vitórias, dos votos de Sucesso e de um sincero DEUS te PROTEJA, tão sinceros, que deram certos.

Dona Catarina de tantos valores profissionais, aí também incluídos o carinho por todos nós, Rabos de Tatu saborosíssimos que nos vendia e do leite de Latas fornecido pela Aliança Para o Progresso simbolizado por duas Mãos se apertando, também encantou a todos os que a conheceram e foram beneficiados pelo seu trabalho, pela sua dedicação e pela sua AMIZADE.

Dona ROSICA e Dona CATARINA. As senhoras ajudaram a construir várias GERAÇÕES de Homens e Mulheres Cidadãos e Cidadãs de bem em todos os sentidos, dentre elas, sem modéstia à parte, a minha Geração, da qual me ORGULHO. Em razão do Exemplo de Vida das senhoras, recebam além da gratidão de um conterrâneo e Amigo agradecido, o Título Legítimo de ASSISTENTES EXCEPCIONAIS DO GRUPO ESCOLAR ANTONIO FARIA!

SOBRE O AUTOR

É buritiense, ardoroso amante da sua terra, deu seus primeiros passos no velho Grupo Escolar Antônia Faria, cursou o Ginásio Industrial na Escola Técnica Federal do Maranhão e Científico no Liceu piauiense e no Liceu maranhense, bacharelou-se em Direito pela Faculdade de Direito/UFMA, é advogado inscrito na OAB/MA, ativo, Pós-graduado em Direito Civil, Direito Penal e Curso de Formação de Magistrado pela Escola de Magistrados do Maranhão, Delegado de Polícia Civil, Classe Especial, aposentado, exerceu todos os cargos de comando da Secretaria de Segurança Pública do Maranhão, incluindo o de Secretário. Detesta injustiça de qualquer natureza, principalmente contra os pobres e oprimidos, com trabalho realizado em favor destes, inclusive na Comarca de Buriti

Em três noites do Arraial da Vacinação contra Covid, 1.430 buritienses são vacinados e o município de Buriti (MA) atinge a marca de mais de 95% das doses aplicadas

Campanha da Semus para vacinar pessoas a partir dos 18 anos com comorbidades e 35 anos ou mais, sem comorbidades, durou três noites e foi montado no Largo da Igreja Matriz.

Com a campanha bem sucedida do “Arraiá de Vacinação” para aplicação de vacinas contra covid-19, o governo municipal de Arnaldo Cardoso conseguiu, em três noites, vacinar 1.430 buritienses, além de realizar 55 testagens rápidas de detecção do novo coronavírus. Com isso, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde – Semus, o município de Buriti avança na imunização e atinge a marca de 95,28% de doses aplicadas, com mais de 10 mil pessoas vacinadas.


Confira reportagem de Márcio Cardoso/Secom

Das 10.063 doses aplicadas, 4.457 delas, cerca de 44,3%, foram da Coronavac e 5.606 (55,7%), da AstraZeneca.


A ideia do arraial teve adesão da população, envolvimento dos profissionais da saúde, e ação vacinou pessoas com idade de 35 anos ou mais sem comorbidades e quem tinha 18 anos com comorbidades comprovadas. 

O Mutirão da Semus aconteceu nos dias 21, 22, 23 de junho no Largo de Sant'Ana da Igreja Matriz.

Equipe da Saúde envolvida na ação. À direita, secretário de saúde Carlos Mailson - Foto: Divulgação

Público-alvo comparece para vacinação - Foto: Divulgação.

Odonto Company Buriti - Rua da Bandeira, nº 25, salas 10 e 11, Centro.

BIOLAB - Rua Antônio Pereira Mourão, em frente ao HTB(Clínica)

PAINEL DO LEITOR - COMENTÁRIOS RECENTES