!-- PLUGIN BARRA DE COOKIES -->
ULTIMAS NOTÍCIAS
Carregando...

Coluna SEXTA DE NARRATIVAS - UM ENGENHO, DOIS AMIGOS, UMA SAUDADE

Um dos mandados, que mais me dava prazer em cumprir, no meu tempo de menino, que já se distancia muito no tempo, era ir comprar mel, alfinim, batida e rapadura, no Engenho do seu Máximo Lopes, lá na minha BURITI querida, que funcionou por longos anos na estrada de Mocambinho, próximo ao povoado Palmeira Torta.

Administrado pelo meu saudoso Negro CANECO, naquele tempo esse tratamento não era considerado crime de racismo, mesmo porque, era um tratamento carinhoso, puro e sincero!

CANECO era uma pessoa humana espetacular, educado, inteligente, apesar de semianalfabeto, mas muito polido de cor, de coração e de alma, que tratava a todos, com muito respeito e, sempre, com um sorriso de encher os olhos, o dia e a semana inteira!

Eu chegava ao portão de entrada do Engenho e lá estava ele a me recepcionar com a alegria espontânea que lhe era peculiar e a interrogação de sempre: sê-u Dêjáime, vêi tomá um-a garapín-a? Pódi Entrá, seu minino, talí os cópus!

 Só essa recepção já me bastava para ter um dia alegre, e claro que a garapinha era uma delícia e eu jamais poderia recusar a gentil oferta!

Conheci o CANECO e nos tornamos amigos, através de um contemporâneo do Grupo Escolar Antonio Faria, meu amigo Francisco das Chagas Oliveira Rêgo, ou simplesmente Chico Rêgo, um amigo daqueles que meu pai chamava AMIGO DO PEITO, e era mesmo e o foi por mais de sessenta anos, até o nosso último Carnaval juntos, no trágico e atípico ano de 2020, quando ele involuntariamente encerrou sua passagem na Terra dos Humanos.

 Tomada a garapa saborosíssima, com o pão mais gostoso que já saboreei até hoje, eu começava a desincumbir-me da minha obrigação, isto é, comprar as encomendas! Era então a hora de negociar, duas rapaduras, um alfinim, uma batida e um litro de mel! Toda a despesa girava em torno de dois cruzeiros, uma cédula de cor amarela, que eu me orgulhava de ostentá-la por alguns minutos e naquele momento me considerava um homem rico!

CANECO atendia ao pedido, recebia o dinheiro e, perguntava-me sorridente: meu brâncu num qué levá maiz úm-a rapadura, úm-a batida ô úm aufiním? Eu apreensivo lhe dizia: não posso comprar mais do que me mandaram e não tenho mais dinheiro meu amigo, ao que  ele sempre sorrindo dizia mansamente:  escôia, môcím de Deus, é um presenti do ingêem, seu Mácimu mi dêu ordi! Contente e, agora despreocupado, eu fazia a minha escolha e, pensava, ah, esse presente é meu, pois fui eu quem fez o negócio! Pensamento correto, mas desnecessário, pois na minha casa, realmente tudo era nosso, todavia toda criança tem seu egoísmo inocente e eu não poderia ser a exceção! Efetuada a compra, era hora da despedida e o agradecimento ao meu amigo CANECO, que me fazia uma cobrança encantadora: decá o abráçu do Nêgu Véi! Que educação natural, que ser humano formidável!

 Em casa, a festa, não sem antes o questionamento sobre o excesso nos itens da encomenda, porque no conceito da minha família, criança não  tinha dinheiro, se o achasse não era dono, era obrigado a gravar o local do achado, para que os mais velhos procurassem o dono e, se aparecesse, com qualquer coisa não adquirida com o consentimento  dos pais ou responsáveis,  teria de justificar!  Essa norma foi sempre um paradigma para mim e para os meus irmãos, que até hoje eu sigo, como uma excelente lei consuetudinária!

Na minha Buriti querida havia outros engenhos de cana de açúcar, os do seu Miguel Barbosa e do seu Santinho, no entanto aquele era o meu preferido, por me ter sido apresentado pelo meu inseparável amigo Chico Rêgo, colega de escola, que muitos anos depois se tornou meu Compadre, sou padrinho da filha dele de nome Raquel, uma Linda Princesa.

Aquele Engenho de Cana de Açúcar, que eu conheci e, com ele convivi e do qual saboreei as maravilhas nele produzidas, ficou gravado para sempre na minha memória. Foi através dele que conheci aquele Negro CANECO, um ser humano extraordinário da minha raça, a raça humana! Embora tenha conhecido com mais proximidade a família do seu Máximo Lopes, nunca tive oportunidade de agradecer aquelas autorizações tão importantes para mim, quando seu freguês anônimo! O meu estimado Negro CANECO, muito tempo depois, eu o reencontrei um senhor Funcionário dos Correios e lhe parabenizando, dei-lhe um abraço e rememorei o tempo do velho Engenho!

Ele eufórico e sempre muito gentil, com o mesmo linguajar puro repetiu:

DECÁ u abráçu do seu Nêgu Véi, Cêu Dotôzã-u.

Foi o nosso último abraço, do qual guardo o calor humano de um ser muito Especial na minha VIDA.

Meu INESQUECÍVEL amigo Negro CANECO. VOCÊ foi um CIDADÃO honrado que dignificou a nossa cidade, com TRABALHO, EDUCAÇÃO DE BERÇO e uma maneira ESPECIAL de Gentileza e de AMIZADE na verdadeira acepção da palavra.

Orgulho-me de ter sido seu amigo, convivido com Você e recebido suas maravilhosas lições de sabedoria, de Humildade e de VIDA, que ainda hoje me acompanham e me servem. Agradecido tento inseri-lo na história da nossa cidade, como um Vulto Valoroso.

Seu Máximo Lopes, obrigado por ter-me presenteado tantas vezes, embora tendo eu sido um Anônimo para o senhor.

Meu IRMÃOAMIGOCOMPADRE Chico Rêgo, penhoradamente agradecido por ter sido tão fiel ao nosso pacto de AMIZADE nascida na nossa infância até o termo da sua jornada terrena.

Todos VOCÊS, deixaram imorredouras boas Lembranças e uma Eterna SAUDADE.


SOBRE O AUTOR

É buritiense, ardoroso amante da sua terra, deu seus primeiros passos no velho Grupo Escolar Antônia Faria, cursou o Ginásio Industrial na Escola Técnica Federal do Maranhão e Científico no Liceu piauiense e no Liceu maranhense, bacharelou-se em Direito pela Faculdade de Direito/UFMA, é advogado inscrito na OAB/MA, ativo, Pós-graduado em Direito Civil, Direito Penal e Curso de Formação de Magistrado pela Escola de Magistrados do Maranhão, Delegado de Polícia Civil, Classe Especial, aposentado, exerceu todos os cargos de comando da Secretaria de Segurança Pública do Maranhão, incluindo o de Secretário. Detesta injustiça de qualquer natureza, principalmente contra os pobres e oprimidos, com trabalho realizado em favor destes, inclusive na Comarca de Buriti.

6 comentários: Leave Your Comments

  1. Djalma, meu amiga. Parabéns e agradecimento.

    ResponderExcluir
  2. Saiu o Dr.Benedito Marques e ficou esse.

    ResponderExcluir
  3. Como é bom recordar momentos maravilhosos da infância vivideas em nossa amada Burití.

    ResponderExcluir
  4. Bem lembrado! O caneco, pessoa de ouro, amigo, brincalhão,lembro muito dele,tive o prazer receber das mãos dele muitas cartas, que alguém muito querido me escrevia toda semana,eu sabia a hora que ele passava na rua que eu moravam, então eu esperar ele no portão, pois eu sabia que ele trazia uma carta pra mim.Saudoso Caneco.

    ResponderExcluir
  5. Conheci o Sr. Caneco e toda vez que nós íamos em Buriti, ele me levava de presente a batida com a casca de laranja ( Sinfrônio qdo ia sozinho, ñ esquecia de trazer pra mim) deu inclusive um violão de presente para Ele. Bons tempos que não voltam jamais. Um grande abraço para todos Vocês Amigo Djalma. Vc é um grande Homem desse Mundo de meu Deus.

    ResponderExcluir
  6. Djalma,pensa em uma narrativa sobre o fornecimento de energia elétrica. Da usina e das histórias do fornecimento nde energia até as 22 horas. Um abração. Parabéns

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem. Ofensas pessoais, mensagens preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, ou ainda acusações levianas não serão aceitas. O objetivo do painel de comentários é promover o debate mais livre possível, respeitando o mínimo de bom senso e civilidade. O Redator-Chefe deste CORREIO poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.


Odonto Company Buriti - Rua da Bandeira, nº 25, salas 10 e 11, Centro.

BIOLAB - Rua Antônio Pereira Mourão, em frente ao HTB(Clínica)

PAINEL DO LEITOR - COMENTÁRIOS RECENTES

Aviso de Cookies