"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

Prefeitura Municipal de Buriti

RESPLANDES TRANSPORTES - Viagens Diárias

RESPLANDES TRANSPORTES - Viagens Diárias

VENDE-SE UMA FAZENDA - CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS

ULTIMAS NOTÍCIAS
Carregando...

ECONOMIA MUNDIAL JÁ ACUMULA DÍVIDA DE 243 TRILHÕES DE DÓLARES


Os economistas alertam que, quando esta bomba de vários trilhões de dólares plantada na economia mundial explodir, a crise será pior do que em 2008. Trata-se de um montante recorde três vezes superior ao PIB mundial, ou seja, ao valor de todos os produtos e serviços do planeta.
Segundo o relatório do Instituto de Finanças Internacionais, a dívida global aumentou em 3,3 trilhões de dólares (13 trilhões de reais) no ano passado, para 243 trilhões de dólares (955 trilhões de reais).
Nos países desenvolvidos, o índice de endividamento, extremamente elevado, atingiu 390% do PIB, enquanto que nos mercados emergentes o efeito foi ao contrário — o aumento da dívida abrandou, atingindo seu nível mais baixo desde 2001.
Para analistas, essa dívida incontrolável e gigantesca é o resultado da política irresponsável dos bancos centrais ocidentais, que se tornaram viciados em imprimir dinheiro e emitir empréstimos.
"Os bancos centrais mundiais estão criando dívidas sem se preocuparem com o que lhes irá acontecer no futuro", afirma o analista de investimentos John Moldin.
No final do ano passado, os economistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) apontaram a insustentável dívida global como a principal ameaça para a economia mundial.
O FMI afirmou que os governos da maioria dos países falharam quase todas as reformas necessárias para proteger o sistema bancário das ações arriscadas dos financistas, que causaram uma poderosa reação em cadeia e o colapso de 2008.
De acordo com a colunista da Sputnik Natalya Dembinskaya, a verdadeira máquina da dívida são os EUA, cujo déficit quase triplicou desde 2000 e agora excede 73,6 trilhões de dólares, o que representa 106% do PIB.
A dívida das empresas não financeiras nos EUA está próxima dos máximos registados antes da crise de 2008. Outro recorde — 22 trilhões de dólares — foi quebrado pelos EUA devido a sua preocupante dívida pública.
Em dois dois anos, o governo contraiu quase 2 trilhões de dólares e, segundo a Bloomberg, nos próximos dois anos esse montante será acrescido de mais 4,4 trilhões.
Os analistas financeiros acreditam que, por mais que a administração Trump tente se livrar do peso excessivo da dívida "até o final do segundo mandato presidencial", caso ele seja reeleito, a tendência não será revertida, uma vez que a situação orçamentária só piora.
O déficit orçamentário federal dos EUA aumentou 17% no ano fiscal de 2018, alcançando 779 bilhões de dólares. A curto prazo, esta tendência se manterá devido à redução das receitas fiscais e ao aumento dos gastos em defesa.
A previsão do Departamento de Orçamento do Congresso é que o déficit deste ano seja de 15,1% — até US$ 897 bilhões e, em 2022, exceda a marca do trilhão.
Já os bancos de investimento acreditam que a dívida pública norte-americana atingirá 140% do PIB até 2024. O governo terá de pedir mais trilhões emprestados para apoiar a bolha financeira e o crescimento econômico. Em resultado, o déficit estrutural cria a chamada "path dependence" (inércia institucional que mantém o país numa determinada trajetória) e a economia acabará por cair no abismo.
Especialistas especulam que Washington tem pouco tempo para reverter a situação e o país enfrentará uma crise em grande escala comparável à Grande Depressão dos anos 30.
Caso a economia global não seja capaz de digerir essa enorme dívida, a crise subsequente levará à pobreza em massa, poderosa instabilidade geopolítica, agitação e guerras, observam analistas da Bloomberg.


0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem. Ofensas pessoais, mensagens preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, ou ainda acusações levianas não serão aceitas. O objetivo do painel de comentários é promover o debate mais livre possível, respeitando o mínimo de bom senso e civilidade. O Redator-Chefe deste CORREIO poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.