"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

(1º Princípio da Declaração de Chapultepec)

Visualizações desde 31 de Julho de 2009

COMO VOCÊ AVALIA OS 100 PRIMEIROS DIAS DA GESTÃO NALDO BATISTA?

IMPOSTOS MUNICIPAIS ARRECADADOS PARA BURITI-MA

Confraternização da Amib

Confraternização da Amib

domingo, 27 de agosto de 2017

5

ADVOGADO ACUSA AMIGO DO JUIZ MORO DE VENDER FAVORES NA LAVA JATO

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


Investigado na Lava Jato, o advogado Rodrigo Tacla Duran, que tem cidadania espanhola e não foi extraditado ao Brasil, acusa o advogado Carlos Zucolotto Júnior, amigo do juiz Sergio Moro, de vender favores na Operação Lava Jato, como a redução de penas e multas.
Moro e seu advogado amigo.
Investigado na Lava Jato, o advogado Rodrigo Tacla Duran, que tem cidadania espanhola e não foi extraditado ao Brasil, acusa o advogado Carlos Zucolotto Júnior, amigo do juiz Sergio Moro, de vender favores na Operação Lava Jato, como a redução de penas e multas.
É o que a aponta a jornalista Mônica Bergamo, em reportagem publicada neste domingo na Folha de S. Paulo.
"O advogado Rodrigo Tacla Duran, que trabalhou para a Odebrecht de 2011 a 2016, acusa o advogado trabalhista Carlos Zucolotto Junior, amigo e padrinho de casamento do juiz Sergio Moro, de intermediar negociações paralelas dele com a força-tarefa da Operação Lava Jato. O advogado é também defensor do procurador Carlos Fernando dos Santos Lima em ação trabalhista que corre no STJ (Superior Tribunal de Justiça)", diz Mônica.
Tacla Duran diz ter em seus arquivos correspondências de Zucolotto que comprovariam a intermediação de vantagens. Segundo a reportagem, Zucolotto seria pago por meio de caixa dois e o dinheiro serviria para 'cuidar' das pessoas que o ajudariam na negociação.
Em nota, Moro afirmou que Zucolotto, que foi com ele recentemente a um show do Skank, é um profissional sério e negou qualquer tipo de triangulação.  "A alegação de Rodrigo Tacla Duran de que o Sr. Carlos Zucolotto teria prestado alguma espécie de serviço junto à força-tarefa da Lava Jato ou qualquer serviço relacionado à advocacia criminal é falsa", disse o magistrado. "O sr. Carlos Zucolotto é pessoa conhecida do juiz titular da 13ª Vara Federal [o próprio Moro] e é um profissional sério e competente", afirma ainda.
O advogado também afirmou que a acusação é absurda. "Não tem o mínimo de verdade nisso. Não existe", diz Zucolotto. "Eu não conheço ninguém [da força-tarefa]. Nunca me envolvi com a Lava Jato. Sou da área trabalhista. Não tenho contato com procurador nenhum", diz.
Tacla Duran, por sua vez, está escrevendo um livro em que pretende contar sua versão dos fatos. "Carlos Zucolotto então iniciou uma negociação paralela entrando por um caminho que jamais imaginei que seguiria e que não apenas colocou o juiz Sergio Moro na incômoda situação de ficar impedido de julgar e deliberar sobre o meu caso, como também expôs os procuradores da força-tarefa de Curitiba", escreveu Duran, num dos trechos obtidos por Mônica Bergamo.
LEIA, ABAIXO, A ÍNTEGRA DA NOTA DE MORO, ENVIADA AO 247:
Nota oficial
Sobre a matéria "Advogado acusa amigo de Moro de intervir em acordo" escrita pela jornalista Mônica Bérgamo e publicada em 27/08/2017 pelo Jornal Folha de São Paulo, informo o que segue:
- o advogado Carlos Zucoloto Jr. é advogado sério e competente, atua na área trabalhista e não atua na área criminal;
- o relato de que o advogado em questão teria tratado com o acusado foragido Rodrigo Tacla Duran sobre acordo de colaboração premiada é absolutamente falso;
- nenhum dos membros do Ministério Público Federal da Força Tarefa em Curitiba confirmou qualquer contato do referido advogado sobre o referido assunto ou sobre qualquer outro porque de fato não ocorreu qualquer contato;
- Rodrigo Tacla Duran não apresentou à jornalista responsável pela matéria qualquer prova de suas inverídicas afirmações e o seu relato não encontra apoio em nenhuma outra fonte;
- Rodrigo Tacla Duran é acusado de lavagem de dinheiro de milhões de dólares e teve a sua prisão preventiva decretada por este julgador, tendo se refugiado na Espanha para fugir da ação da Justiça;
- o advogado Carlos Zucoloto Jr. é meu amigo pessoal e lamento que o seu nome seja utilizado por um acusado foragido e em uma matéria jornalística irresponsável para denegrir-me; e
- lamenta-se o crédito dado pela jornalista ao relato falso de um acusado foragido, tendo ela sido alertada da falsidade por todas as pessoas citadas na matéria. 
Curitiba, 27 de agosto de 2017.
Sergio Fernando Moro
Juiz Federal
← Anterior Proxima → Página inicial

5 COMENTÁRIOS:

  1. ESTE PODER JUDICIÁRIO É PODRE.OS TRES PODERES TEM QUE VIVEREM EM ARMONIA,O QUE NÃO EXISTE,O QUE EXISTE É UMA GUERRA DECLARADA,INLUSIVE DO PODER JUDICIARIO QUERENDO SER O MAXIMO SEM TER MORAL PARA TANTO.A PROVA TAI O JUIZ SERJO MORO QUERENDO SER CORRRETO SEM SER FAZENDO ACORDO ESCUSOS PARA BENEFICIAR PRESOS DA LAVA JATO COM O ADVOGADO QUE FOI PADRINHO DE CASAMENTO DELE.ISTO É UMA VERGONHA E IMORAL PARA QUEM SAI APREGOANDO MORAL SEM TER MORAL PARA TANTO.

    ResponderExcluir
  2. E DAI?
    A METADE DOS (AMIGOS) DO LULA ESTAO PRESOS E NÃO VEJO MATERIA SOBRE ISSO!
    QUANTA IMPARCIALIDADE CORREIO BURITIENSE.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O PRINCIPIO DA PERSOLALIDADE PENAL E TAMBÉM ESTAR INSERIDO NA CARTA MAIOR,A CULPA OU PENA NÃO PASSARÁ DO CULPADO.COMO PODEMOS RESPONSABILIZAR LULA OU O PT PELA RESPOMSABILIDADE CRIMINAL DE CADA FILIADO.

      Excluir
  3. E DAÍ QUE A LEI E PARA TODOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a LEI é pra todos, concordo.Estou discordando de vc querem responsabilizar o pt e lula pelos crimes de pessoas filiadas ao PT.Se assim fosse iriamos chegar até ADÃO E EVÃO QUE BOTOU TANTA GENTE RUIR NO MUNDO.

      Excluir

O COMENTÁRIO NÃO REPRESENTA A OPINIÃO DO BLOG; A RESPONSABILIDADE É DO AUTOR DA MENSAGEM. OFENSAS PESSOAIS, MENSAGENS PRECONCEITUOSAS, OU QUE INCITEM O ÓDIO E A VIOLÊNCIA, OU AINDA ACUSAÇÕES LEVIANAS NÃO SERÃO ACEITAS. O OBJETIVO DO PAINEL DE COMENTÁRIOS É PROMOVER O DEBATE MAIS LIVRE POSSÍVEL, RESPEITANDO O MÍNIMO DE BOM SENSO E CIVILIDADE.

Usuários on-line


usuários online