"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

(1º Princípio da Declaração de Chapultepec)

Visualizações desde 31 de Julho de 2009

SEJA UM COLABORADOR DO JORNALISMO INDEPENDENTE

SEJA UM COLABORADOR DO JORNALISMO INDEPENDENTE

TVT: LULA, CIRO E DILMA na inauguração popular da transposição das águas do rio São Francisco

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

0

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO MA MANTÉM CONDENAÇÃO DO PREFEITO DE COELHO NETO POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


O prefeito do município de Coelho Neto-MA, Soliney de Sousa e Silva, aliado de primeira linha do ex-prefeito de Buriti-MA Neném Mourão, parece seguir a mesma marca de enrolação judicial do seu aliado regional. Os desembargadores da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão mantiveram sentença da 1ª Vara de Coelho Neto (a 44,1 km de Buriti-MA), condenando o prefeito de Coelho Neto Soliney de Sousa e Silva, ao pagamento de multa civil de R$ 8 mil, correspondente a duas vezes o acréscimo patrimonial do ato indevido, além de juros e correção monetária, por ato de improbidade administrativa praticado em 2010.
A ação civil pública contra o prefeito foi proposta pelo Ministério Público Estadual (MPMA), alegando que ele teria se utilizado da Procuradoria Geral do Município de Coelho Neto para propor ação de interesse pessoal, incorrendo em atos de improbidade por desvio de finalidade, dano ao erário e ofensa à moralidade administrativa. A sentença condenou o prefeito, entendendo que, na condição de gestor municipal, utilizou serviços de advogados contratados pelo Município em causa particular, à custa do erário, importando em enriquecimento ilícito.
Em recurso, o prefeito alegou ausência de dolo que configure ato previsto na Lei de Improbidade, pois toda a questão se tratou de uma falha de impressão da peça que, erroneamente, teria sido feita em papel com o timbre da Prefeitura.
O desembargador Marcelo Carvalho Silva, relator do recurso, ressaltou o objetivo da Lei de Improbidade, que é de punir agentes públicos que agem em desconformidade com os ditames protetivos da coisa pública, desde que esteja caracterizada a intenção de fraudar ou dilapidar o erário.
Para ele, não teria como afastar a existência do dolo no caso, ao menos genericamente, pela vontade livre e consciente de agir em desacordo com a lei, descumprindo obrigações que devem ser conhecidas e obedecidas por todos os gestores públicos.
O desembargador considerou acertada a sentença do Juízo de Coelho Neto, já que o prefeito não comprovou as alegações de sua defesa ou o pagamento dos serviços advocatícios. 
(Processo nº 33.011/2016)
 * Da Assessoria de Comunicação do TJMA.
← Anterior Proxima → Página inicial

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

O COMENTÁRIO NÃO REPRESENTA A OPINIÃO DO BLOG; A RESPONSABILIDADE É DO AUTOR DA MENSAGEM. OFENSAS PESSOAIS, MENSAGENS PRECONCEITUOSAS, OU QUE INCITEM O ÓDIO E A VIOLÊNCIA, OU AINDA ACUSAÇÕES LEVIANAS NÃO SERÃO ACEITAS. O OBJETIVO DO PAINEL DE COMENTÁRIOS É PROMOVER O DEBATE MAIS LIVRE POSSÍVEL, RESPEITANDO O MÍNIMO DE BOM SENSO E CIVILIDADE.

Usuários on-line


usuários online