"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

(1º Princípio da Declaração de Chapultepec)

Visualizações desde 31 de Julho de 2009

SEJA UM COLABORADOR DO JORNALISMO INDEPENDENTE

SEJA UM COLABORADOR DO JORNALISMO INDEPENDENTE

TVT: LULA, CIRO E DILMA na inauguração popular da transposição das águas do rio São Francisco

domingo, 20 de março de 2016

0

COMISSÃO DE IMPEACHMENT: Um terço dos Deputados que vão decidir futuro de Dilma são acusados de corrupção no STF.

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


Um em cada três deputados que integram a comissão especial que analisará o pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff é investigado por crimes em ações no Supremo Tribunal Federal (STF). Dos 65 indicados pelos partidos, 34 são acusados de corrupção, apropriação de recursos públicos, crimes contra a Lei de Licitações, de responsabilidade e o sistema financeiro. 
Paulo Pereira da Silva (SD-SP) é investigado em três processos de corrupção. 
Nilson Leitão (PSDB-MT) e o deputado federal Wherles Rocha (PSDB-AC).
Entre os investigados, 15 já são réus no Supremo: os titulares Washington Reis (PMDB-RJ), Paulo Maluf (PP-SP), Benito Gama (PTB-BA), Paulo Pereira da Silva (SD-SP), Junior Marreca (PEN-MA), Édio Lopes (PR-RR), Paulo Magalhães (PSD-BA), Fernando Torres (PSD-BA), Nilson Leitão (PSDB-MT) e Weverton Rocha (PDT-MA); e os suplentes Izalci (PSDB-DF), Rocha (PSDB-AC), José Stédile (PSB-RS), Roberto Góes (PDT-AP) e Marx Beltrão (PMDB-AL).
O próprio presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que aceitou o pedido de impeachment, virou réu na Operação Lava Jato. Segundo apurado pelo Congresso em Foco, ele foi o 57º parlamentar, entre os atuais 513 deputados e 81 senadores, a virar réu no Supremo. 
Caberá à comissão do impeachment aprovar um parecer recomendando ou não o avanço do processo contra Dilma. A expectativa de Cunha, acusado de receber propina do esquema de corrupção da Petrobras, é de que os trabalhos do colegiado sejam concluídos em 45 dias. O parecer, seja pelo impeachment, seja pelo arquivamento, terá de ser submetido ao plenário da Câmara. Caso seja aprovado pelos deputados, será encaminhado ao Senado.

Paulinho da Força tem três processos
Um dos mais aguerridos defensores do impeachment de Dilma, o deputado Paulo Pereira da Silva (Solidariedade) é investigado nos inquéritos 2905 e 3901 por peculato e corrupção passiva. Paulinho da Força, como também é conhecido, ainda é réu na Ação Penal 965, que apura desvio de recursos do BNDES, desvendado pela PF na Operação Santa Tereza.
Indicado para a suplência da comissão pelo PDT, o deputado Roberto Góes (AP) é atualmente o parlamentar com mais pendências judiciais no Supremo. Ex-prefeito de Macapá e deputado mais votado de seu estado, ele acumula 13 inquéritos e ações penais por peculato, crimes de responsabilidade, crimes contra o meio ambiente, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, falsificação de documento público e crimes contra a Lei de Licitações. O pedetista chegou a passar quase dois meses preso quando era prefeito, ao ser levado pela Operação Mãos Limpas, da Polícia Federal, em 2010. Voltou da prisão, em Brasília, para a Prefeitura.
O deputado federal Nilson Leitão (PSDB-MT) também membro da comissão do impeachment, recebeu dinheiro de empresas investigadas na Operação Lava Jato na sua campanha eleitoral. Leitão foi o deputado federal mais votado do estado recebendo R$ 511.550,00 das empresas investigadas. O parlamentar mato-grossense já manifestou posicionamento favorável ao impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT).

Maluf na comissão
O PP, bancada com mais parlamentares investigados na Operação Lava Jato, indicou o deputado Paulo Maluf (SP), para compor o colegiado. Maluf, que já foi sinônimo de “roubalheira”, é réu em três ações penais, entre elas, uma condenação recente na França e um mandado de prisão da Interpol (polícia internacional), tanto que não pode sair do Brasil sob pena de ser preso.
Outros quatro deputados do PP que estão na comissão são investigados na Lava Jato. São eles: Aguinaldo Ribeiro (PB), Roberto Brito (BA) e Jerônimo Goergen (RS), indicados como titulares. E Luiz Carlos Heinze (RS), relacionado para a suplência da comissão. Um dos nomes do PT no colegiado, José Mentor (SP) também é suspeito de receber recursos do esquema de corrupção na Petrobras. Ou seja, há cinco suspeitos entre os integrantes da comissão do impeachment.
 Fonte: Congresso em foco, R7, Portal Vermelho.
← Anterior Proxima → Página inicial

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

O COMENTÁRIO NÃO REPRESENTA A OPINIÃO DO BLOG; A RESPONSABILIDADE É DO AUTOR DA MENSAGEM. OFENSAS PESSOAIS, MENSAGENS PRECONCEITUOSAS, OU QUE INCITEM O ÓDIO E A VIOLÊNCIA, OU AINDA ACUSAÇÕES LEVIANAS NÃO SERÃO ACEITAS. O OBJETIVO DO PAINEL DE COMENTÁRIOS É PROMOVER O DEBATE MAIS LIVRE POSSÍVEL, RESPEITANDO O MÍNIMO DE BOM SENSO E CIVILIDADE.

Usuários on-line


usuários online