"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

(1º Princípio da Declaração de Chapultepec)

Visualizações desde 31 de Julho de 2009

COMO VOCÊ AVALIA OS 100 PRIMEIROS DIAS DA GESTÃO NALDO BATISTA?

IMPOSTOS MUNICIPAIS ARRECADADOS PARA BURITI-MA

COMPRE JÁ

COMPRE JÁ

Confraternização da Amib

Confraternização da Amib

sábado, 26 de janeiro de 2013

0

DILMA MANTÉM DETERMINAÇÃO DE AUMENTAR INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO

Compartilhe:

Print Friendly and PDF



*Do Blog Controle Social, com informações do Correio Brasiliense.
Presidenta apresentará, na semana que vem, uma proposta de revisão das dívidas municipais em troca do apoio para manutenção dos royalties do petróleo destinados à educação. 
Para diminuir a pressão dos aliados e garantir que os recursos do pré-sal sejam destinados integralmente para a educação, o governo apresentará aos prefeitos reunidos em Brasília na semana que vem uma proposta de revisão das dívidas municipais. O Planalto aceita trocar o indexador da dívida de IGPDI mais 6% por IPC ou taxa Selic, a depender de qual estiver com o percentual mais baixo. Em contrapartida, não quer que se repitam as cenas do fim do ano passado, quando uma caravana de administradores municipais desembarcou em Brasília querendo o dinheiro que virá dos novos campos de petróleo, levando a presidente Dilma Rousseff a vetar o projeto e comprar uma briga com o Congresso. 
Além disso, a presidente, de olho no destravamento da economia para assegurar um PIB mais consistente nos dois anos decisivos para a sua reeleição, cobrará que os prefeitos utilizem as verbas desta folga orçamentária em investimentos, como obras de infraestrutura, saneamento e saúde, e não no aumento do custeio ou no inchaço da máquina pública. 
Segundo apurou o Correio, essa será uma das discussões centrais no encontro da presidente Dilma Rousseff com os administradores municipais empossados em 1º de janeiro, marcado para a segunda-feira (28) da semana que vem, em Brasília. Os ministros cujas pastas tenham forte atuação nos municípios farão painéis mostrando todos os programas federais e os recursos disponíveis para as cidades brasileiras. A percepção do Planalto é de que muitos prefeitos desconhecem os repasses a que têm direitos ou não sabem elaborar projetos eficientes para que as verbas sejam efetivamente liberadas.
Essa seria uma das maneiras para mostrar que, muitas vezes, as cidades estão afogadas em problemas ou engessadas mais por desconhecimento do que por questões fiscais e econômicas. Mesmo assim, o governo federal está disposto a dar uma mãozinha. No programa de creches, por exemplo — uma das principais promessas de Dilma durante a campanha presidencial de 2010 —, a tendência é que sejam liberados recursos não apenas para a construção dos estabelecimentos, mas também para a compra dos terrenos.
Alternativas
Outras parcerias serão prolongadas, como a que garante a venda de retroescavadeiras para serem utilizadas na construção de estradas vicinais, por exemplo. O Ministério das Cidades deve apresentar exemplos para incrementar o programa Minha Casa, Minha Vida e as obras de mobilidade urbana. Já o Ministério das Mulheres apresentará seu novo programa de atuação no setor. O ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Jorge Hage, debaterá com os novos prefeitos alternativas para que eles não paguem por desvios praticados em gestões anteriores.
Mas o grande tema estará centrado, de fato, nas dívidas municipais. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, será um dos painelistas do encontro, mas, provavelmente, essas conversas se darão de maneira reservada. Dados da Confederação Nacional dos Municípios mostram que o montante total do endividamento que pode ser parcelado chega aos R$ 100 bilhões. Tão logo foi eleito, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, conversou com a presidente e com Mantega, mostrando que o nível de insolvência era gigantesco e que algo precisava ser feito.
O governo aproveitou, então, a discussão em torno da “maquiagem” no superávit primário para retomar esse debate. A equipe econômica assegura que o resultado final é mais difícil de ser obtido porque os estados e municípios têm dificuldades de fechar as contas e, assim, economizar os recursos necessários para o pagamento dos juros da dívida. Com mais dinheiro em caixa, os prefeitos terão condições de investir e, ao mesmo tempo, pagar o que devem ao governo federal, que poderá fechar as contas sem a necessidade de manobras contábeis, batizadas pela revista The Economist como o velho “jeitinho brasileiro”. 
Além disso, os prefeitos terão de aceitar que os recursos do pré-sal sejam destinados à educação. A presidente Dilma Rousseff já afirmou essa intenção diversas vezes. Tramita no Congresso um projeto que eleva para 10% do Produto Interno Bruto (PIB) os investimentos previstos para a pasta comandada por Aloizio Mercadante. O governo aceita a mudança, mas disse que a única maneira de a conta fechar é pegar os recursos da exploração dos novos campos de petróleo.
A presidente Dilma Rousseff destinará essa semana praticamente toda para uma nova rodada de conversas com os aliados eleitos em outubro. Ontem, a audiência foi concedida ao prefeito reeleito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho. Ao longo da semana, ela vai conversar com os prefeitos eleitos de Fortaleza, Roberto Cláudio (PSB); de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT); e de Recife, Geraldo Júlio (PSB). Na sexta-feira, dia do aniversário de São Paulo, Dilma estará na capital paulista para uma conversa com Haddad e com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
← Anterior Proxima → Página inicial

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

O COMENTÁRIO NÃO REPRESENTA A OPINIÃO DO BLOG; A RESPONSABILIDADE É DO AUTOR DA MENSAGEM. OFENSAS PESSOAIS, MENSAGENS PRECONCEITUOSAS, OU QUE INCITEM O ÓDIO E A VIOLÊNCIA, OU AINDA ACUSAÇÕES LEVIANAS NÃO SERÃO ACEITAS. O OBJETIVO DO PAINEL DE COMENTÁRIOS É PROMOVER O DEBATE MAIS LIVRE POSSÍVEL, RESPEITANDO O MÍNIMO DE BOM SENSO E CIVILIDADE.

Usuários on-line


usuários online