"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

(1º Princípio da Declaração de Chapultepec)

Visualizações desde 31 de Julho de 2009

Conferência de Mulheres da Assembleia de Deus em Buriti-MA

COMO VOCÊ AVALIA OS 100 PRIMEIROS DIAS DA GESTÃO NALDO BATISTA?

IMPOSTOS MUNICIPAIS ARRECADADOS PARA BURITI-MA

Charles Crispim na Balada Fight - Edição Tatto

terça-feira, 24 de abril de 2012

0

Brasil teve 27 crimes contra a imprensa, diz relatório da SIP.

Compartilhe:

Print Friendly and PDF



Em relatório divulgado nesta segunda-feira (23), a SIP (Sociedade Interamericana de Imprensa) aponta para um aumento nos casos de assassinatos de jornalistas no Brasil - no período de seis meses, foram registrados 27 casos de crimes e violências contra a imprensa, incluindo assassinatos, agressões e atentados.
A sociedade pede punição aos homicídios e afirma que a morosidade da Justiça estimula a impunidade no Brasil.
No último dia de reunião em Cádiz, na Espanha, a sociedade destacou que, de cinco jornalistas assassinados, três crimes estavam relacionados ao exercício da profissão.
"Governos de origem democrática, porém autoritários, utilizam os meios de comunicação estatais para perseguir e difamar a mídia independente", diz o documento, citando em especial cinco países: "Venezuela, Equador, Argentina, Bolívia e Nicarágua enfrentam problemas comuns em mãos de presidentes arbitrários e intolerantes que tentam calar a imprensa crítica".
O Brasil foi representado na Espanha por Paulo de Tarso Nogueira, consultor do jornal "O Estado de S. Paulo" e integrante da Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação da SIP.
A 68ª Assembleia-Geral da SIP está marcada em São Paulo, entre os dias 12 e 16 de outubro.
Levantamento do CPJ (Committee to Protect Journalists) divulgado no último dia 17 indica que o Brasil é o 11º país do mundo em que os assassinatos de jornalistas mais ficam impunes.
De acordo com o "Índice da Impunidade" elaborado pelo órgão, cinco mortes de jornalistas nos últimos dez anos não resultaram em nenhuma condenação no país.
Duas dessas mortes aconteceram no ano passado: a do dirigente petista e editor Edinaldo Filgueira do jornal "O Serrano", que recebeu seis tiros em 15 de junho. O crime aconteceu em Serra do Mel (252 km de Natal), no Rio Grande do Norte.
Segundo o órgão, também não foi solucionada a morte do apresentador de TV e radialista Luciano Leitão Pedrosa, de Pernambuco. Ele também foi alvo de tiros em abril do ano passado na cidade de Vitória de Santo Antão (47 km de Recife).
Neste ano, a Organização das Nações Unidas (ONU) tentou aprovar uma resolução para reduzir o número de assassinatos de jornalistas.
Segundo o Jornal Hoje, o Brasil, a Índia e o Paquistão conseguiram adiar a votação da proposta para 2013.
← Anterior Proxima → Página inicial

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

O COMENTÁRIO NÃO REPRESENTA A OPINIÃO DO BLOG; A RESPONSABILIDADE É DO AUTOR DA MENSAGEM. OFENSAS PESSOAIS, MENSAGENS PRECONCEITUOSAS, OU QUE INCITEM O ÓDIO E A VIOLÊNCIA, OU AINDA ACUSAÇÕES LEVIANAS NÃO SERÃO ACEITAS. O OBJETIVO DO PAINEL DE COMENTÁRIOS É PROMOVER O DEBATE MAIS LIVRE POSSÍVEL, RESPEITANDO O MÍNIMO DE BOM SENSO E CIVILIDADE.

Usuários on-line


usuários online