"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

ULTIMAS NOTÍCIAS
Carregando...

LUTO EM BURITI (MA)! Morre, aos 96 anos, senhor Abraão Ribeiro, exemplo de retidão e cidadania


É com imenso pesar que o Correio Buritiense comunica o falecimento do senhor ABRAÃO RIBEIRO DA SILVA, ocorrido às 5h deste sábado 16/5.
Seu Abraão, como era chamado, aos 96 anos de idade e com saúde já debilitada, não resistiu às complicações em decorrência da Covid-19, doença do novo coronavírus, contra a qual lutava desde sua internação há alguns dias no HTB – Clínica, em Buriti (MA).
O sepultamento, seguindo recomendações das autoridades sanitárias de saúde, ocorreu às 10h de hoje no cemitério municipal São José, próximo à sua residência, na Rua Inácia Vaz, centro da cidade.
Abraão Ribeiro, filho de Gedeão Ribeiro da Silva e Zulmira Marques da Costa, nasceu em 15 de maio 1924 na localidade São Francisco, interior do município de Buriti.
De família rural, o menino passou a ajudar desde cedo nas lavouras, na criação dos animais e na extração de frutos nativos do cerrado. Não tendo professora em seu povoado, e já com idade de alfabetização, aos sete anos, Abraão caminhava 2 km até a casa de sua professora, contratada pelos pais para lhe ensinar a ler, escrever e contar. Em um ano de estudos particulares conseguiu ser alfabetizado.
Em 1933, aos 9 anos, Abraão sente forte a perda do seu pai Gideão e a família do falecido, inicialmente, passou grandes dificuldades financeiras, conseguindo superá-las.
Em 1944, Abraão casa-se com Angélica Januário, com quem teve 15 (quinze) filhos, alguns em memória, 29 (vinte e nove) netos, 24 (vinte e quatro) bisnetos e 2 (dois) tetranetos.
Abraão Ribeiro e sua digníssima esposa Angélica Januário.
Com a esposa, passou a dividir as tarefas de comerciante, ele era responsável pelas compras feitas em Teresina, Parnaíba, Chapadinha, bem como em Buriti. O comércio girava em torno da compra da produção de gêneros produzidos nas roças pelos moradores da redondeza nas terras arrendadas por ele. Seu Abraão comercializou em quase todo território buritiense.  
Com morada em vários povoados, como João Lobo, Boa Hora, Sítio Velho, Vargem, Pedras, Barra Nova, Pé da Ladeira, em 1974, ele e a esposa mudam-se definitivamente para a cidade de Buriti.
Homem culto, politizado, educado, muito religioso e sábio, nos lugares onde morou, trabalhava gratuitamente com muito amor para as comunidades, pregando o evangelho, alfabetizando os adultos, cuidava da saúde dos moradores e vizinhos.
Líder comunitário, Seu Abraão implantou e presidiu  Comunidades Eclesiais de Base na sede municipal e em vários povoados, participou da criação da Frente dos Trabalhadores Contra as Secas, fomentou ativamente o movimento Sindical dos Trabalhadores Rurais, participou da criação da Pastoral da Criança em Buriti e de vários conselhos municipais, como o Conselho Tutelar, fundou a Colônia de Caça e Pesca, colaborou com a implantação do Estatuto da Criança e do Adolescente na cidade. Criou e presidiu o PDT em Buriti por vários anos, por meio do qual foi candidato a vereador e vice-prefeito, de forma que participou ativamente dos movimentos pelos direitos dos trabalhadores, um homem incansável.
      Amante da literatura, em especial da poesia, Abraão gostava muito de ler, de escrever poemas e cordéis e também recitá-los. Nos anos 80, começou a escrever poemas, em 1996, lançou o folheto MINHA TERRA, com 300 versos descrevendo, com riqueza e simplicidade, os ecossistemas de Buriti, sua flora e fauna, a vida social, cultura e a religião de sua terra. Seus textos abordam homenagens a pessoas e a datas comemorativas, numa poética cheia de lirismo e romantismo.
Como poeta, desde 2010, participou com destaque nos Festivais Buritienses de Poesias, promovidos, bienalmente, pela AMIB. Fragmentos das suas produções poéticas estão reproduzidas nos livros “Aventuras Literárias”, lançado pela AMIB, em 2017, e “Vozes Poéticas dos Morros Garapenses”, uma antologia de poetas da região da APA, com 2ª edição em 2019.
Ilustre Cidadão Buritiense.
Em 2010, recebeu a comenda de "Ilustre Cidadão Buritiense", por prestar relevante contribuição à arte, a cultura e à população de Buriti.
*Dados biográficos extraídos dos livros “Buriti: nosso berço nossa história” e “Vozes Poéticas dos Morros Garapenses”.

5 comentários: Leave Your Comments

  1. É com muita tristeza que nos despedimos do nosso patriarca, foi um homem de uma história de vida ilibado. Ele nos deixa de coração partido, não só por sua partida mas pela maneira, mas que Deus e Nossa Senhora o receba de braços abertos.

    ResponderExcluir
  2. Deus e nossa senhora em sua infinita misericórdia e bondade o acolha em seus braços misericordiosos.E dê consolo a dona Angelica,aos filhos,netos,bisnetos,amigos e a todos os familiares.Nossos sentimentos a família enlutada.Francisca Costa conterrânea e seu esposo Marcos Teixeira e filhos Matheus,Jonas e Izabel.

    ResponderExcluir
  3. Meus pêsames família inlutada

    ResponderExcluir
  4. Meus pêsames a familia e que Deus console a familiares e amigos, pois como homem religioso que era, com certeza estara ao lado de Deus.

    ResponderExcluir
  5. Como ficou aquelas fraudes na folha de pagamento do município de Coelho Neto, da época do prefeito Soliney? 60 mil todo mês!!! Essa fotografia não sai do meu arquivo.

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem. Ofensas pessoais, mensagens preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, ou ainda acusações levianas não serão aceitas. O objetivo do painel de comentários é promover o debate mais livre possível, respeitando o mínimo de bom senso e civilidade. O Redator-Chefe deste CORREIO poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

PAINEL DO LEITOR - COMENTÁRIOS RECENTES