"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

RESPLANDES TRANSPORTES - Viagens Diárias

RESPLANDES TRANSPORTES - Viagens Diárias

VENDE-SE UMA FAZENDA - CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS

ULTIMAS NOTÍCIAS
Carregando...

Efeito Bolsonaro: Brasil cai em ranking de liberdade de imprensa pelo 2° ano seguido


‘Clima de ódio e suspeitas alimentado por Bolsonaro’, diz o relatório que explica a 107ª posição do País – abaixo de Hungria e Israel.
Pelo segundo ano seguido, o Brasil perdeu posições em um ranking de liberdade de imprensa publicado pela organização Repórteres Sem Fronteiras, que analisa, entre outras questões, quão plurais são as vozes jornalísticas no País e as possíveis agressões – físicas e verbais – contra profissionais da mídia.
Na análise sobre o Brasil, a primeira linha esclarece qual o motivo da 107ª posição que o país angariou: “clima de ódio e suspeitas alimentado por Bolsonaro”. Foram duas casas abaixo do que a posição de 2018. O documento destaca que, desde as eleições, Bolsonaro se alimenta do “discurso de ódio, desinformação, violência contra jornalistas e desprezo pelos direitos humanos”, o que iniciou uma “era sombria” na história da democracia e da liberdade de imprensa no Brasil.
A “concentração de mídia em grandes famílias” também chamou a atenção do relatório, que destacou que algumas são “ligadas intimamente à classe política”. Também foi apontada a perseguição feita à confidencialidade da imprensa em relação às fontes – uma referência velada à Vaza Jato e às perseguições aos jornalistas que conduziram a investigação em 2019.
A posição brasileira é abaixo da observada em países com presidentes autoritários, como a Hungria (89º), do primeiro-ministro Viktor Orbán, que chegou a aprovar com o parlamento uma lei que encarcera, por cinco anos, propagadores do que ele classificaria como “notícias falsas” sobre o coronavírus. Israel, controlada pelo acusado de corrupção Benjamin Netanyahu, figura na 88ª posição.
No cenário latino, o Brasil se encontra atrás do Uruguai (19º), Suriname (20º),  das Guianas (49º), Chile (54º), Argentina (64º), Peru (90º), Equador (94º) e Paraguai (100º), e está à frente apenas da Bolívia (114º), que sofreu um golpe de Estado recentemente, Colômbia (130º) e da Venezuela (147º).
No topo da lista, figuram Noruega, Finlândia e Dinamarca, respectivamente. Na ponta, estão a China, Eritreia e Turcomenistão – o mesmo país que proibiu o uso da palavra “coronavírus” no meio da pandemia.

Segundo o Repórteres sem Fronteiras, que faz o citado ranking desde 2002, são considerados o pluralismo, a independência da mídia, o ambiente midiático e possíveis censuras internas nas redações, a cobertura parlamentar, a transparência e a qualidade da infraestrutura que dá apoio à produção de notícias e informações.
“[O ranking] não ranqueia políticas públicas, mesmo se as medidas governamentais tiverem maior impacto na posição do país, e não é um indicador da qualidade do jornalismo em cada País ou região”, destacam.

 Da CARTA CAPITAL

2 comentários: Leave Your Comments

  1. Deixe de demagogia, a China que é a segunda maior potência mundial teve uma redução de mais 6% do PIB, o efeito é a Pandemia isso sim.

    ResponderExcluir
  2. Liberdade de imprensa é noticiar informações tendenciosas, mentirosas, etc. O Brasil é o país onde se tem maior liberdade de imprensa no mundo e onde há o maior número de irresponsáveis como vc, que não estão a serviço da verdade.

    ResponderExcluir

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem. Ofensas pessoais, mensagens preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, ou ainda acusações levianas não serão aceitas. O objetivo do painel de comentários é promover o debate mais livre possível, respeitando o mínimo de bom senso e civilidade. O Redator-Chefe deste CORREIO poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.