"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

ULTIMAS NOTÍCIAS
Carregando...

A PEDIDO DA PROMOTORIA, JUSTIÇA ACATA AÇÃO CIVIL PÚBLICA CONTRA EX-PREFEITO DE BURITI RAFAEL MESQUITA E MAIS CINCO PESSOAS


De acordo com o MP, os réus integrariam um esquema criminoso que teria desviado 1,4 milhão reais dos cofres municipais. 
A Justiça aceitou uma ação civil pública movida pelo Ministério Público Estadual (MPE) contra o ex-prefeito de Buriti (MA), RAFAEL MESQUITA BRASIL, o ex-secretário municipal de finanças ALEX RAMON OLIVEIRA BARROS, a ex-tesoureira NEIDE NETA MARQUES, os membros da Comissão de licitação ELEDYLSON RODRIGO PEREIRA CANTANHEDE e VINÍCIUS CESAR FERRO CASTRO, e contra ERICK JOHN FRANCO QUEIROZ, titular da empresa E.J. Franco Queiros - ME. De acordo com a manifestação do MP pelo recebimento da inicial, os seis “réus são integrantes de um esquema criminoso”, e que, em 2014, teria sido configurado “o desvio da monta equivalente a R$ 1.400.000,00 (um milhão e quatrocentos mil reais)"  dos cofres municipais.
Em sua decisão, o juiz José Pereira Lima Filho, titular da Comarca de Buriti, afirma que “a prova documental acostada à inicial demonstra a necessidade de recebimento da inicial de improbidade administrativa. Neste sumaríssimo, entendo que existem indícios de que o ex-prefeito municipal de BURITI/MA, Sr. RAFAEL MESQUITA BRASIL, o ex-secretário municipal de finanças (Sr. ALEX RAMON OLIVEIRA BARROS), os membros da comissão permanente de licitação (Srs. ALEDYLSON RODRIGO PEREIRA CANTANHEDE e VINÍCIUS CESAR FERRO CASTRO), a tesoureira da prefeitura municipal de Buriti/MA (Sra. NEIDE NETA MARQUES CHAGAS) e o Sr. ERICK JOHNY FRANCO QUEIROZ (titular da empresa E. J. FRANCO QUEIROS-ME) teriam transgredido as normas constitucionais, conforme apurado no Inquérito Civil 01/2015, instaurado pelo Ministério Público desta Comarca, com o fulcro de investigar irregularidades em relação às formalidades do pregão nº 13/2013, tendo como objeto serviços de limpeza pública do município de Buriti/MA”
O juiz de Buriti, ao receber a petição inicial, deu aos réus o prazo de quinze dias para oferecerem resposta, “sob pena de serem admitidos como verdadeiros os fatos narrados na inicial, caso já não haja elemento probatório em sentido inverso. ”
Este processo corre em segredo de Justiça e abaixo segue a íntegra dessa decisão publicada no Diário da Justiça Eletrônica – DJE de 10 de outubro 2018, páginas 595 a 596.




5 comentários: Leave Your Comments

  1. Deus seja louvado! Esses homens citados nessa ação, são pessoas sem coração, quantas pessoas foram prejudicadas pela as ações de corrupção destes elementos? Agora saberão o peso da justiça! Parabéns MP e Judiciário!

    ResponderExcluir
  2. Se realmente devem, terão que pagar, inclusive devolvendo a importância desviada com às devidas correções.
    Todos somos iguais perante a lei.
    Dura Lex, sed lex !

    ResponderExcluir
  3. Daqui para frente o bicho vai pegar.

    ResponderExcluir
  4. Grande Prefeito de Buriti, Rafel, colocado pelo Neném Mourão e povo ratificando, durante todo esse tempo Rafael Mesquita, vc pensava que ia passar em "brancas nuvens" ...kkkkk

    ResponderExcluir
  5. Rafael Batista Morão kkkkk, todos juntos e misturado numa só cadeia

    ResponderExcluir

O COMENTÁRIO NÃO REPRESENTA A OPINIÃO DO BLOG; A RESPONSABILIDADE É DO AUTOR DA MENSAGEM. OFENSAS PESSOAIS, MENSAGENS PRECONCEITUOSAS, OU QUE INCITEM O ÓDIO E A VIOLÊNCIA, OU AINDA ACUSAÇÕES LEVIANAS NÃO SERÃO ACEITAS. O OBJETIVO DO PAINEL DE COMENTÁRIOS É PROMOVER O DEBATE MAIS LIVRE POSSÍVEL, RESPEITANDO O MÍNIMO DE BOM SENSO E CIVILIDADE.

Postagens populares

Postagens mais visitadas

Seguidores

CORREIO TV