"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

(1º Princípio da Declaração de Chapultepec)

Visualizações desde 31 de Julho de 2009

COMO VOCÊ AVALIA OS 100 PRIMEIROS DIAS DA GESTÃO NALDO BATISTA?

IMPOSTOS MUNICIPAIS ARRECADADOS PARA BURITI-MA

Faça sua aposta no Mix Best

terça-feira, 16 de maio de 2017

13

EX-PRESIDENTE DA CÂMARA DE VEREADORES DE BURITI É CONDENADO A 15 ANOS DE DETENÇÃO

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


Antônio Joel Serejo Tertulino, conhecido como “Joel Lafaete”, foi condenado por não realizar licitação por cinco vezes durante sua gestão na Casa.
 O juiz José Pereira Lima Filho, titular da comarca de Buriti, condenou o ex-presidente da Câmara de Vereadores do Município, Antônio Joel Serejo Tertulino, conhecido como “Joel Lafaete”, a 15 (quinze) anos de detenção e 50 (trinta) dias-multa pelo crime de não realização de licitação por cinco vezes (concurso material) quando presidente da Casa, no exercício financeiro de 2008. A pena de reclusão deve ser cumprida em regime semiaberto, em Colônia Penal Agrícola. Na sentença, o magistrado concedeu ao réu o direito de recorrer em liberdade. Decisão foi publicada no Diário da Justiça desta terça-feira (16).
A sentença foi proferida em Ação Penal movida pelo Ministério Público Estadual em desfavor do réu (Processo nº 409-32.2013.8.10.0077). Segundo o MP, o réu “na qualidade de Presidente e ordenador de despesas, efetuou gastos com o erário público sem obediência as normas constitucionais e legais que impõem a prévia realização de procedimento”. Os fatos criminosos indicados na denúncia são os seguintes:
a) “(...) o denunciado contratou Raimundo Pinheiro Júnior como assessor jurídico, pagando-o a quantia de R$ 30.000,00 (trinta mil reais), sem, no entanto, obedecer às formalidades legais, uma vez que não houve processo formal, publicação oficial, tampouco fundamento legal (...)”;
b) “(...) da mesma forma, contratou o contador Jurandy Viegas Almeida como contador, pagando-o, R$ 25.328,16 (vinte e cinco mil reais, trezentos e vinte e oito mil reais e dezesseis centavos), mediante dispensa irregular de licitação, já que não houve processo formal, publicação oficial ou fundamento legal”;
c) “(...) o acusado alegou veículo GM/Corsa Hatch, placa HPR 2407, ano 2003, por R$ 14.000,00 (quatorze ml reais), valor este pago a Robert M. de Almeida, sem licitação, sem procedimento formal de dispensa, ausente publicação oficial e, ainda, sem apresentar documentos do referido veículo e de seu proprietário”;
d) “(...) o denunciado contratou a construtora Centro de Peritoró Ltda, pagando a esta o valor de R$ 90.131,90 (noventa mil, cento e trinta e um reais e noventa centavos), sem contrato formal, sem licitação, sem documentação da empresa, sem regularidade fiscal para contratar com o poder público e sem projeto básico e planilha de custos”;
e) “(...) adquiriu R$ 40.669,00 em material de consumo, sem licitação e sem processo formal de dispensa de uma empresa Educ. Comércio e Publicidade Ltda”;
f) “(...) o agente delituoso reteve a quantia de R$ 3.024,76 (três mil e vinte e quatro reais e setenta e seis centavos), uma vez que se tratava de valor pertencente ao ISS, mas deixou de repassá-los aos cofres municipais, apropriando-se indevidamente deste dinheiro”.
Para o juiz, a materialidade dos crimes licitatórios está demonstrada nos autos: “foram realizadas aquisições diretas durante dois anos, mas apenas cinco condutas foram individualizadas na denúncia e comprovadas nos autos, quais sejam: a) R$ 30.000,00 (trinta mil reais) com advocacia; b) R$ 25.328,16 (vinte e cinco mil reais, trezentos e vinte e oito mil reais e dezesseis centavos), com contadoria; c) R$ 14.000,00 (quatorze ml reais), com aluguel de veículo; d) R$ 90.131,90 (noventa mil, cento e trinta e um reais e noventa centavos) com uma construtora; e) R$ 40.669,00 (quarenta mil e seiscentos e sessenta e nove reais) em material de consumo, sem licitação e sem processo formal de dispensa de uma empresa Educ. Comércio e Publicidade Ltda”.
“... A denúncia [de delitos licitatórios] é manifestamente procedente. Aponto que a autoria é indiscutível. É incontroverso nos autos que o réu exercia cargo público eletivo (vereador), sendo chefe do Poder Legislativo do Município de Buriti durante dois anos. O acusado, inclusive, afirmou em juízo que não realizou nenhum procedimento licitatório. Este aspecto é destacado: não foi realizada licitação, nem qualquer outro procedimento administrativo para justificar a dispensa ou inexigibilidade da licitação durante a gestão do réu, que durou dois anos.”, afirma José Lima em decisão.
Já o crime de apropriação ou do desvio do valor de R$ 3.024,76 em benefício do réu ou de terceiro não ficou comprovado. O crime tributário também não restou materializado. “Neste ponto, o relatório do TCE, por si só, não é suficiente para comprovar a ausência de arrecadação.”, afirmou o juiz na decisão.
DESPREZO PELA COISA PÚBLICA
Discorrendo sobre a ignorância das leis alegada pelo réu em sua defesa, o juiz afirma que a declaração demonstra o desprezo do agente pela coisa pública, apesar de o réu ter exercido a Presidência da Casa Legislativa de Buriti logo em seu primeiro, e mesmo assim afirmou “não saber de nada” quanto às imputações, além de “desconhecer a existência de licitação”. Joel Lafaete ainda pôs a culpa em seus assessores e no seu contador Jurandy Viegas Almeida.
Durante seus dois anos à frente da Câmara Municipal não foi realizado nenhum procedimento licitatório, informação que para juiz é reveladora do nível de administração da coisa pública no âmbito do legislativo municipal durante a gestão do imputado”.Não foi instaurado sequer procedimento administrativo para justificar a dispensa ou inexigibilidade de procedimento licitatório, não houve publicação do contrato, etc.”, diz a decisão.
A íntegra da sentença encontra-se publicada às páginas 589 a 593 da edição de nº 83/2017 do Diário da Justiça Eletrônico, publicado neste 16/05/2017.

VEJA A PARTE FINAL DA SENTENÇA ABAIXO:
← Anterior Proxima → Página inicial

13 COMENTÁRIOS:

  1. Aliandro, sou a favor de tudo que meu redator publica em relação aos políticos de meu buriti. Mais vamos publicar tambem coisas inregares sobre o sindicato dos funcionários municipais, sobre o sindicato dos trabalhadores rurais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele não posta nada a desfavor do prefeitinho dele muito menos do sindicato. Esse blog é partidário só quem é doido que não percebe.

      Excluir
  2. Aliandro
    aproveitando par perguntar aos gestores da Caema..Cadê a água das torneiras?O q está acontecendo?E o sinal da Tim alguém sabe o porquê fo descaso geral¿》》》《

    ResponderExcluir
  3. Oi força ai pra família Lafaete.

    ResponderExcluir
  4. Esses políticos quando estão de posse do dinheiro público achão que podem fazer o que bem entender, ai está a resposta...

    ResponderExcluir
  5. Foi o Cabé, Joel e quem será o próximo da vez? será o Cesar Alvim e depois dele virá os próximos...se cuida LAUDELINO E JORGE DO SINDICATO.

    ResponderExcluir
  6. Jorge do Sindicato gasta numa campanha de vereador igual a de um candidato a prefeito, sr. redator vamos ficar de olho nos sindicatos porque a corrupção é tamanha, o dos trabalhadores rurais têm fornecido muita "lenha" para acendar a "chama" da política e eleger três vereadores, vamos ficar de olho e denunciar esses corrúptos.

    ResponderExcluir
  7. Dá Em Nada Isso.

    ResponderExcluir
  8. Joel compra uma corda pra ti enfoca que as coisa vai pegar pra te bandido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Precisa comprar corda não!! Pois ele já tem kkkkk Só que para armar rede e se deitar. Só de BOA 😎🌄☕

      Excluir
  9. Estava custando a baixaria, chamar os outros de bandido, como se todos são uns santos, cuidado com a lingua

    ResponderExcluir
  10. Pessoal esse Robert M Almeida não é o Robert Almeida? E Raimundo pinheiro Junior não é o doutror junior? Por favor me tire essa dúvida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande merda o Robert Almeida trocaram seis por meia dúzia.

      Excluir

O COMENTÁRIO NÃO REPRESENTA A OPINIÃO DO BLOG; A RESPONSABILIDADE É DO AUTOR DA MENSAGEM. OFENSAS PESSOAIS, MENSAGENS PRECONCEITUOSAS, OU QUE INCITEM O ÓDIO E A VIOLÊNCIA, OU AINDA ACUSAÇÕES LEVIANAS NÃO SERÃO ACEITAS. O OBJETIVO DO PAINEL DE COMENTÁRIOS É PROMOVER O DEBATE MAIS LIVRE POSSÍVEL, RESPEITANDO O MÍNIMO DE BOM SENSO E CIVILIDADE.

Usuários on-line


usuários online