"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

(1º Princípio da Declaração de Chapultepec)

Visualizações desde 31 de Julho de 2009

COMO VOCÊ AVALIA OS 100 PRIMEIROS DIAS DA GESTÃO NALDO BATISTA?

Buritiense na disputa de MMA Nacional

sábado, 11 de março de 2017

0

MUNDO ENFRENTA A MAIOR CRISE HUMANITÁRIA, AFIRMA DIRETOR DA ONU

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


O mundo enfrenta a maior crise humanitária desde que a ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada em 1945, com mais de 20 milhões de pessoas em quatro países passando fome, disse o chefe humanitário das Nações Unidas nesta sexta-feira (10).
Stephen O'Brien, diretor de operações humanitárias da ONU, disse ao Conselho de Segurança que "sem esforços globais coletivos e coordenados, as pessoas simplesmente morrerão de fome e muitos mais sofrerão e morrerão de doenças".
Ele pediu uma injeção imediata de fundos para o Iêmen, Sudão do Sul, Somália e nordeste da Nigéria, além de acesso seguro e sem impedimentos à ajuda humanitária "para evitar uma catástrofe".
"Para ser exato, precisamos de US$ 4,4 bilhões até julho", afirmou O'Brien.
O diretor disse também que sem um grande investimento, as crianças poderão ficar raquíticas por desnutrição grave e não poderão ir à escola.
A ONU e organizações de alimentos definem a fome quando mais de 30% das crianças menores de cinco anos sofrem de desnutrição aguda e as taxas de mortalidade são duas ou mais mortes por cada 10.000 pessoas por dia, entre outros critérios.
"Já no início do ano estamos enfrentando a maior crise humanitária desde a criação das Nações Unidas", disse O'Brien. "Agora, mais de 20 milhões de pessoas em quatro países passam fome."
Segundo o diretor, a maior crise humanitária está no Iêmen, onde dois terços da população –18,8 milhões de pessoas– precisam de ajuda e mais de 7 milhões de pessoas passam fome e não sabem de onde virá sua próxima refeição. "São três milhões de pessoas mais do que em janeiro", disse ele.
A nação mais pobre do mundo árabe está envolvida em conflitos e mais de 48.000 pessoas fugiram somente nos últimos dois meses.
Durante sua recente visita ao Iêmen, O'Brien disse que conheceu altos líderes do governo e rebeldes xiitas Houthi, que controlam a capital, Sanaa, e todos prometeram acesso para socorrer a população.
"No entanto, todas as partes no conflito estão arbitrariamente negando o acesso humanitário sustentado e politizando a ajuda", disse ele, alertando se esse comportamento não mudar agora "eles devem ser responsabilizados pela inevitável fome, mortes desnecessárias e ampliação do sofrimento dessas pessoas."
Para 2017, O'Brien disse que US$ 2,1 bilhões são necessários para alcançar 12 milhões de iemenitas "com assistência e proteção para salvar vidas", mas apenas 6% foram recebidos até agora. Ele anunciou que o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, presidirá uma conferência de promessas para o Iêmen em 25 de abril, em Genebra, na Suíça.
O chefe humanitário das Nações Unidas também visitou o Sudão do Sul, a mais nova nação do mundo, que foi devastada por uma guerra civil de três anos, e disse que "a situação é pior do que nunca".
"A fome no Sudão do Sul é feita pelo homem", informou O'Brien. "As partes no conflito são partes na fome –assim como as que não intervêm para fazer parar a violência".
Segundo ele, mais de 7,5 milhões de pessoas precisam de ajuda (1,4 milhão acima do que ano passado) e cerca de 3,4 milhões de sudaneses do sul são deslocados por lutas, destes quase 200 mil fugiram do país desde janeiro.
"Estima-se que mais de um milhão de crianças sofram de desnutrição aguda em todo o país, incluindo 270.000 crianças que enfrentam o risco iminente de morte se não forem socorridas a tempo", observou. "Enquanto isso, o surto de cólera que começou em junho de 2016 se espalhou para outros locais."
Na Somália mais da metade da população –6,2 milhões de pessoas– precisa de ajuda humanitária e proteção, incluindo 2,9 milhões que estão em risco de fome e precisam de ajuda imediata para "salvar ou sustentar suas vidas".
Ele alertou que perto de um milhão de crianças com menos de cinco anos de idade estarão "agudamente desnutridas" este ano.
"O que vi e ouvi durante minha visita à Somália foi angustiante. As mulheres e as crianças andam durante semanas à procura de comida e água, perderam o gado, as fontes de água secaram e não têm mais nada para sobreviver" Brien disse. "Com tudo perdido, mulheres, meninos, meninas e homens agora se mudam para centros urbanos".
O chefe humanitário advertiu que os indicadores atuais refletem "o quadro trágico de 2011, quando a Somália sofreu com a fome".
"Para ser claro, podemos evitar uma fome", disse O'Brien. "Estamos prontos apesar do risco e do perigo incríveis, mas precisamos desses enormes fundos agora".
No nordeste da Nigéria, uma revolta de sete anos promovida pela milícia extremista islâmica Boko Haram matou mais de 20 mil pessoas e tirou 2,6 milhões de suas casas. Uma coordenadora humanitária da ONU disse no mês passado que a desnutrição nesse local é tão aguda que alguns adultos são muito fracos para andar e algumas comunidades perderam todos os seus bebês

(Da Folha/ Associated Press)
← Anterior Proxima → Página inicial

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

O COMENTÁRIO NÃO REPRESENTA A OPINIÃO DO BLOG; A RESPONSABILIDADE É DO AUTOR DA MENSAGEM. OFENSAS PESSOAIS, MENSAGENS PRECONCEITUOSAS, OU QUE INCITEM O ÓDIO E A VIOLÊNCIA, OU AINDA ACUSAÇÕES LEVIANAS NÃO SERÃO ACEITAS. O OBJETIVO DO PAINEL DE COMENTÁRIOS É PROMOVER O DEBATE MAIS LIVRE POSSÍVEL, RESPEITANDO O MÍNIMO DE BOM SENSO E CIVILIDADE.

Usuários on-line


usuários online