"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

(1º Princípio da Declaração de Chapultepec)

Visualizações desde 31 de Julho de 2009

COMO VOCÊ AVALIA OS 100 PRIMEIROS DIAS DA GESTÃO NALDO BATISTA?

Buritiense na disputa de MMA Nacional

IMPOSTOS MUNICIPAIS ARRECADADOS PARA BURITI-MA

Faça sua aposta no Mix Best

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

0

JUÍZA CONDENA O MUNICÍPIO DE COELHO NETO A FORNECER MEDICAMENTO DE FORMA CONTINUADA A PACIENTE

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


Em sentença assinada no último dia 30 de setembro a juíza Raquel Araújo Castro Teles de Menezes condenou o município de Coelho Neto a fornecer "o medicamento Mesacol 800g de forma continuada e durante o período necessário ao tratamento" de M.O.M.S., diagnosticada com úlcera de reto. A multa diária para o caso de descumprimento da decisão é de R$ 500,00 (quinhentos reais). Na decisão, a juíza condena ainda o Município ao pagamento das custas honorárias, no valor de R$ 1.000,00 (mil reais).
A sentença atende à Ação Cominatória com Pedido de Tutela Antecipada em face do Município e na qual a autora alega que necessita tomar o citado medicamento de forma continuada para o tratamento da úlcera de reto com a qual foi diagnosticada. Na ação, a autora afirma que "em razão da recusa injustificada do Município em fornecer os medicamentos, tem seu direito constitucional à saúde violado".
Direito de todos - diz a magistrada em suas fundamentações: "A saúde é um direito de todos assegurado na Constituição Federal, sendo dever do Poder Público prestá-la, por meio de políticas sociais e econômicas que visem à diminuição do risco da existência de doenças e outros males e do acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação. Sua concretização exige ações positivas do Estado e trata-se de cláusula pétrea".
"Frise-se que a promoção da saúde é direito solidário das esferas de Poder, conforme expressamente decidiu o Superior Tribunal de Justiça", enfatiza a juíza, ressaltando a obrigação do Estado, no sentido genérico, de assegurar às pessoas carentes de recursos financeiros "o acesso à medicação necessária para a cura de suas mazelas, em especial as mais graves".
"Como a ação foi proposta em face do Município de Coelho Neto/MA, a  este cabe a obrigação de garantir tratamento médico e os medicamentos necessários àqueles hipossuficientes", conclui a magistrada.
A íntegra da sentença pode ser consultada no Diário da Justiça Eletrônico, Edição nº 186/2016, publicado nesta segunda-feira (10).
*Assessoria de Comunicação/CGJMA
← Anterior Proxima → Página inicial

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

O COMENTÁRIO NÃO REPRESENTA A OPINIÃO DO BLOG; A RESPONSABILIDADE É DO AUTOR DA MENSAGEM. OFENSAS PESSOAIS, MENSAGENS PRECONCEITUOSAS, OU QUE INCITEM O ÓDIO E A VIOLÊNCIA, OU AINDA ACUSAÇÕES LEVIANAS NÃO SERÃO ACEITAS. O OBJETIVO DO PAINEL DE COMENTÁRIOS É PROMOVER O DEBATE MAIS LIVRE POSSÍVEL, RESPEITANDO O MÍNIMO DE BOM SENSO E CIVILIDADE.

Usuários on-line


usuários online