Trending

CUNHA AUTORIZA ABERTURA DE PROCESSO DE IMPEACHMENT DE DILMA

A atitude vem como contra-ataque à bancada do PT que, no mesmo dia, decidiu que votará pela continuidade do processo no Conselho de Ética que investiga Eduardo Cunha; julgamento entre Câmara dos Deputados e Senado deve durar meses.
*Da Revista Fórum
Com sete pedidos de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff arquivados há meses, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), decidiu autorizar a abertura de um deles justamente no dia em que a bancada do PT anunciou que votaria a favor da continuidade do processo que o investiga no Conselho de Ética e que pode culminar na cassação de seu mandato. Depois do anúncio dos deputados petistas, Cunha conversou com aliados e anunciou, em entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira (2), que autorizou a abertura do processo com base no requerimento formulado pelos juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale Júnior.
Pelo pedido de Bicudo, a presidenta deveria ser afastada por conta das chamadas “pedaladas fiscais”, nome dado ao atraso de repasses a bancos públicos com o intuito de cumprir metas orçamentárias – prática, inclusive, que já foi utilizada em outros governos.
“Não falei com ninguém do Palácio. É uma decisão de muita reflexão, de muita dificuldade. [...] Não quis ocupar a presidência da Câmara para ser o protagonista da aceitação de um pedido de impeachment. Não era esse o meu objetivo. Mas, repito, nunca, na história de um mandato houve tantos pedidos de impeachment como neste mandato”, disse na entrevista coletiva o presidente da Casa, que foi condenado na Suíça por lavagem de dinheiro e é alvo de uma investigação no Conselho de Ética por quebra de decoro parlamentar.
Com a autorização da abertura do processo, uma comissão especial que analisará o impeachment será formada. O relatório final deverá ser votado pelo plenário da Câmara e, para ser aprovado, precisa de, pelo menos, 342 votos (dois terços dos 513 deputados).
O processo é longo: depois da instalação da comissão, a presidenta da República será notificada e terá até 10 sessões para se manifestar. Após a manifestação de defesa da presidenta, a comissão terá cinco sessões para apresentar o relatório final com parecer contra ou a favor, que será votado pelo plenário da Casa. Caso o parecer de impeachment seja aprovado pelo plenário, a presidenta deve se afastar por até 180 dias e a decisão segue para votação no Senado. Se absolvida no Senado, Dilma reassume o mandato imediatamente.

3 Comentários

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem. Ofensas pessoais, mensagens preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, ou ainda acusações levianas não serão aceitas. O objetivo do painel de comentários é promover o debate mais livre possível, respeitando o mínimo de bom senso e civilidade. O Redator-Chefe deste CORREIO poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

  1. Desde quando essa mulher que não é digna ser chamada presidenta,por causa dela o Brasil está mergulhado no caos da corrupção o seu partido é o mais corrupto de todos. E a maior fábrica de corruptos e absurdos crimes eles tem cometido pra chegar onde chegaram, é muito fácil subir nas costas dos outros e as custas,mas trabalhar pelo Brasil ELA não sabe e se não tirarem ela do poder e seu partido de bandidos as coisas só tendem a piorar cada vez mais,quem defende ela é pior do que ela,e quem esse tipo de crime hediondo deixar essa senhora ou sabe-se lá o que ela é,o Brasil está do jeito que tá é por conta de colocarem uma mulher leiga que nunca governou nada na vida,não tem experiência de vida pública, é imcopetente mesmo,a mais tempo tivesse saído

    ResponderExcluir
  2. Essa mulher tem nome tem história Dilma primeira mulher presidenta guerreira!sempre na luta deste jovem.

    ResponderExcluir
Postagem Anterior Próxima Postagem
header ads
header ads
header ads