"Não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa”.

(1º Princípio da Declaração de Chapultepec)

Visualizações desde 31 de Julho de 2009

COMO VOCÊ AVALIA OS 100 PRIMEIROS DIAS DA GESTÃO NALDO BATISTA?

IMPOSTOS MUNICIPAIS ARRECADADOS PARA BURITI-MA

COMPRE JÁ

COMPRE JÁ

Confraternização da Amib

Confraternização da Amib

quarta-feira, 12 de março de 2014

0

ESPECIAL 5 ANOS DA APA: ENTENDENDO A APA DOS MORROS GARAPENSES

Compartilhe:

Print Friendly and PDF


*Em parceira com o Blog Folha do Garapa

 APA - Sigla de Área de Proteção Ambiental. É uma unidade de Conservação de uso sustentável, “em geral extensa, com certo grau de ocupação humana, dotada de atributos abióticos, bióticos, estéticos ou culturais especialmente importantes para a qualidade de vida e o bem-estar das populações humanas, tendo como objetivos básicos proteger a diversidade biológica, disciplinar o processo de ocupação e assegurar a sustentabilidade do uso dos recursos naturais”.
MORROS – Montes poucos elevados. Os Morros Urbanos de Duque Bacelar formam uma belíssima cadeia de seis morros de formatos topográficos diversos, circundando o oeste e o sul da cidade de Duque Bacelar, com população de urbana de 5 mil habitantes (senso 2007). Historicamente foram esses morros que forjaram o nome do povoado Garapa, no ciclo natural da chuva, que acumulada em partes de seus vales, dificultava o passar dos tropeiros e pedestres pela vereda principal, que encharcada, formava extensos atoleiros. Com a criação da cidade de Duque Bacelar, em 1 de Janeiro de 1955, o natural e simpático nome do lugarejo GARAPA fora substituído pelo nome atual.
GARAPENSES – (1) gentílico no plural originado do nome garapa. (2) Historicamente em nossa região, Garapa foi um antigo porto natural fluvial a margem esquerda do rio Parnaíba/Maranhão, cujo desenvolvimento fez crescer um povoado, que posteriormente, em 1955, foi transformado em cidade e município de Duque Bacelar. (3) O Garapa é o nome do morro central da cidade de Duque Bacelar, aproximadamente de 200 metros de altura, onde em Setembro de 2001 um grupo de ambientalista iniciaram um movimento formal em seu topo, visando a preservação de sua vegetação. Com a popularização da escalada ao Morro Garapa por jovens, crianças e a população em geral, cresceu o sentimento de querer preservar todas as topografias dos Morros circundando a cidade e suas espécies vegetais nativas, como também a ideia de se criar uma área de proteção ambiental, protegendo todos os ecossistemas nos arredores da cidade.
APA DOS MORROS GARAPENSES – Criada pelo Governo do Estado do Maranhão, na gestão de Jackson Lago, através da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, pela Lei Nº 25.087 de 31 de Dezembro de 2008, abrangem uma área de 234. 767.9097 ha, nos municípios de Buriti, Duque Bacelar, Coelho Neto e Afonso Cunha. Com cinco anos de criação, sendo a mais nova do Estado, essa Unidade de Conservação maranhense localizada no Baixo Parnaíba e Alto Munim, é a única de jurisdição estadual que possui um Conselho em funcionamento. O CONAMG é um Conselho atuante e participativo junto ao Governo e a sociedade, caminhando nestes dias  para o seu terceiro mandato. O CONAMG possui 16 representantes que se reúnem ordinariamente quatros vezes ao ano, buscando soluções para os problemas ambientais e da sustentabilidade da Unidade.
A Vegetação da APA dos Morros Garapenses, possui grande extensão ainda preservada dos ecossistemas transitórios de caatinga, mata de cocais e cerrado (este um dos biomas brasileiros mais ameaçados), da região leste do Maranhão. sua hidrografia é banhada por dois importantes rios: Parnaíba e Munim, tendo em seu território as nascentes do rio Preto e Estrela, e dezenas de nascentes formadora de uma rica rede hidrográfica de riachos e lagoas naturais; onde a  fauna, apesar de várias espécies de mamíferos e aves já extintas, como o gato-maracajá, onça-parda, jacu-de-porco, etc, pela caça predatória e destruição de áreas verdes, ainda se beneficia destes recursos, sendo ainda grande.

Assim, com essa diversidade de aves e peixes dentro e no entorno da APA dos Morros Garapenses, os ambientalistas, os estudiosos e a população em geral pode ainda observar e preservar esse viva pulsante dos diversidade de seres. Outra grande atração e beleza ímpar é a floresta petrificada de árvores pré-históricas do período do dilúvio, encontrada em diversos sítios fosselíferos da APA, constituindo esses sítios um dos principais patrimônios ambientais e culturais do Maranhão.
Limites atuais da APA dos Morros Garapenses:



← Anterior Proxima → Página inicial

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

O COMENTÁRIO NÃO REPRESENTA A OPINIÃO DO BLOG; A RESPONSABILIDADE É DO AUTOR DA MENSAGEM. OFENSAS PESSOAIS, MENSAGENS PRECONCEITUOSAS, OU QUE INCITEM O ÓDIO E A VIOLÊNCIA, OU AINDA ACUSAÇÕES LEVIANAS NÃO SERÃO ACEITAS. O OBJETIVO DO PAINEL DE COMENTÁRIOS É PROMOVER O DEBATE MAIS LIVRE POSSÍVEL, RESPEITANDO O MÍNIMO DE BOM SENSO E CIVILIDADE.

Usuários on-line


usuários online