Trending

DILMA SE ELEGERIA NO PRIMEIRO TURNO, DIZ PESQUISA CNT/MDA

Levantamento CNT/MDA indicou que presidente obtém mais de 50% das intenções dos
*Por Agência Estado
A pesquisa CNT/MDA divulgada nesta terça-feira, 11, mostrou que a presidente Dilma Rousseff seria eleita no primeiro turno se as eleições fossem hoje. Nos dois cenários, a presidente apareceu com mais de 50% das intenções de voto.
No primeiro deles, Dilma aparece com 52,8% das intenções de voto, seguida do senador Aécio Neves (PSDB), com 17%; da ex-ministra Marina Silva, com 12,5%; e do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), com 3,7%. No segundo, com o socialista fora do páreo, Dilma tem 54,2% das intenções de voto; o Aécio, 18%; e Marina, com 13,3%.
A pesquisa também avaliou os índices de popularidade do governo e pessoal de Dilma. A presidente é aprovada por 73,7% da população, e seu governo, por 54,2%. Na última pesquisa divulgada em do ano passado, ela teve aprovação pessoal de 75,7% e aprovação de seu governo foi de 56,6%. A queda ocorreu está na margem de erro, de 2,2 pontos porcentuais, para mais ou para menos.
A queda nos índices de popularidade de Dilma é estimulada pelo retorno da inflação, o que, segundo a pesquisa, abre a chances de haver segundo turno na sucessão presidencial de 2014. De acordo com o levantamento, 73,1% dos entrevistados ainda não têm um candidato favorito para presidente e só 17,4% disseram já ter um nome escolhido. Brancos e nulos somaram 2% e 7,5% disseram não saber ou não responderam.
"Já começa a aproximar de um segundo turno. É um fato que a presidente Dilma deve avaliar no seu conjunto", disse o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNT), senador Clésio Andrade (PMDB-MG)."Inevitavelmente a inflação é o que mais pesa (para a queda de Dilma)", avaliou.

Entre os outros fatores que contribuíram para a redução da aprovação do governo estão o processo de desinvestimento, a dificuldade do governo em fazer obras públicas, os problemas de infraestrutura (e por consequência a pressão sobre a balança comercial) e a subida do dólar que, num futuro próximo, vai atingir a classe média nas viagens ao exterior, previu Andrade. "Há uma piora significativa também nas áreas de saúde, educação e segurança", acrescentou. 

Postar um comentário

O comentário não representa a opinião do blog; a responsabilidade é do autor da mensagem. Ofensas pessoais, mensagens preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, ou ainda acusações levianas não serão aceitas. O objetivo do painel de comentários é promover o debate mais livre possível, respeitando o mínimo de bom senso e civilidade. O Redator-Chefe deste CORREIO poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Postagem Anterior Próxima Postagem
header ads
header ads
header ads